O voto do coronel Nunes à candidatura de Marrocos para sediar a Copa de 2026 foi atacado até pelo vice-presidente da CBF Fernando Sarney, durante o lançamento da casa Conmebol, em Moscou, nesta quinta-feira (14).

Convidado a falar sobre a organização da Copa América de 2019, que será no Brasil, Sarney, que comanda o Comitê da Organização do evento, preside o Conselho da Conmebol e é um dos vices da Confederação Brasileira, saiu do tema inicial para deixar claro que a CBF não concorda com a decisão de Nunes.

“A CBF está sempre alinhada com a Conmebol. Qualquer outra decisão diferente sempre será pessoal, e não uma posição da CBF.”

Coronel Nunes, presidente da CBF, quebrou o pacto de unanimidade que havia dentro da Conmebol pelo voto na candidatura United 2026 (Canadá/México/EUA), que acabou vencedora com 134 votos, ante 65 do adversário.

Mais cedo, o presidente da AFA (Associação Argentina de Futebol), Claudio Tapia, classificou como uma traição o voto da entidade brasileira.

“Quando acontecem essas coisas, eu não gosto de falar pessoalmente. Quando você está com o sangue quente, coisas ruins podem acontecer. Então, depois conversaremos. Mas não compactuo com essa decisão, que está mais perto de uma traição do que para uma simpatia.”

O argentino seguiu atacando Nunes por faltar com a palavra dada na reunião realizada na segunda-feira (11) em Moscou, dois dias antes do Congresso da Fifa.

“Teremos que entender por que ele deu esse voto. O voto pode ser por um ou pelo outro, mas, quando se chega a um consenso em uma comissão e é algo unânime, tem de ser respeitada essa decisão.”

O evento também serviu para a apresentação da candidatura tripla de Argentina, Uruguai e Paraguai para a Copa do Mundo de 2030.

Coronel Nunes não apareceu no evento. Rogério Caboclo, que assumirá a presidência da CBF em abril de 2019, representou a entidade, assim como Sarney.