A Copa do Nordeste não é apenas sucesso entre os torcedores dos principais clubes da região. Entre os dirigentes dos times nordestinos, a competição regional veio como a “salvação da lavoura” para as receitas no primeiro semestre. Com campeonatos estaduais deficitários e que já não atraem os torcedores para os estádios, o Nordestão dá um novo fôlego financeiro aos clubes, principalmente para aqueles que chegam na reta decisiva do torneio.

Guilherme Lopes, diretor de futebol do Sport, atual campeão da Copa do Nordeste, afirmou que a competição regional é a segunda mais importante do calendário. Mais do que a lucratividade, o Sport ganhou também o direito de disputar a Copa Sul-Americana deste ano.

“A Copa do Nordeste é a segunda competição de peso que temos para disputar na temporada. Além da premiação e da parte financeira, o torneio traz o atrativo de você conseguir uma vaga na Copa Sul-Americana. Temos que cada vez mais aprimorar e valorizar essa competição. Não é à toa que Goiás, Botafogo e Flamengo já mostraram interesse em disputar a Copa do Nordeste. Isso reflete o sucesso do campeonato”, disse Lopes.

Ele falou ainda que a lucratividade do clube na Copa do Nordeste permitiu um maior investimento para a volta da Leão à Série A. “Nos dá um fôlego financeiro maior e essa competição foi determinante para a estruturação do planejamento deste ano. Conseguimos elevar a folha em 20% e isso nos dá o direito de ter dois ou três atletas de uma qualidade técnica maior”, falou.

Vice-campeão do Nordestão, o Ceará também se deu bem, pelo menos financeiramente, lucrando R$ 3 milhões, sem contar com as receitas de bilheteria. “O primeiro benefício que essa competição traz é a rivalidade que existe entre esses clubes da região, que é muito forte. Depois, claro, vem a parte financeira, já que diante do primeiro semestre que temos, é deficitário para todos os clubes. Com isso, conseguimos viabilizar o clube financeiramente para os projetos e competições que temos pela frente. Por isso, o campeonato é muito interessante”, definiu Evandro Leitão, presidente do Ceará, que é o atual líder da Série B.

Se por um lado um dos dirigentes do Vitória, Alexi Portela, é o presidente da Copa do Nordeste, por outro, o seu maior rival, o Bahia, não é tão simpatizante a Copa do Nordeste, principalmente sob o ponto de vista do apertado calendário do futebol brasileiro. “Em vista do calendário é péssimo, pois não se consegue fazer uma boa pré-temporada. O torneio, em si, eu acho ótimo, mas o calendário precisa ser ajustado. Sem esse ajuste eu acho que fica inviável”, arrematou o vice-presidente do tricolor de aço, Valton Pessoa.

Mais times

Com representantes de sete estados, a edição de 2015 da Copa do Nordeste deve ganhar mais quatro times e aumentar para vinte o número de participantes. Isto porque o campeão e o vice do Piauí e do Maranhão devem entrar na disputa. Neste ano, segundo o presidente da Federação Piauiense de Futebol (FPF), Cesarino Oliveira as equipes não puderam entrar graças ao estatuto do torcedor, que não permite que o regulamento de uma competição seja alterado em um período de dois anos. River e Piauí estão garantidos pelo Piauiense e Sampaio Corrêa e Moto Club pelo Maranhense.