São Paulo – O meia Oliveira, do Figueirense, completa hoje 22 anos e vive talvez seu mais triste aniversário. Após passagens por categorias de base da seleção brasileira, vinha em ascensão e estava perto de uma transferência ao Palmeiras. Exames cardiológicos, porém, impediram a contratação e podem, na próxima semana, afastá-lo definitivamente do futebol.

Oliveira, pelo que mostram exames feitos no Instituto do Coração (Incor), em São Paulo, sofre de miocardiopatia hipertrófica assimétrica, mesma doença que matou o zagueiro Serginho, do São Caetano, em 27 de outubro, e responsável pela maioria das mortes súbitas associadas à prática esportiva. Trata-se de um espessamento das paredes do coração, com diminuição da cavidade ventricular, que causa arritmias que podem ser fatais.

À espera da luz

Revelado pelo Figueirense, o jogador, que esteve um ano no futebol japonês e passou pela seleção brasileira sub-20, não voltou para Florianópolis, preferiu viajar a Goiânia para ficar com a família. A resposta da clínica americana deve sair em uma semana. Apesar do diagnóstico, ainda há a esperança de que o problema seja temporário e possa ser revertido.