O rigoroso esquema de segurança montado para receber a delegação do Corinthians, no final da tarde desta terça-feira (início da noite no horário de Brasília), no aeroporto El Dorado, em Bogotá, falhou no primeiro teste. Apesar de haver muitos policiais no local, estes não conseguiram fazer um cordão de isolamento eficiente e os jogadores – sobretudo Ronaldo e Roberto Carlos – se viram num mar de apaixonados torcedores, que felizmente só queriam estar próximos dos ídolos.

Mas o clima era amistoso e, assim que entrou no ônibus que levaria o time ao hotel, Ronaldo fez questão de deixar a janela aberta e permitir que os fãs tirassem fotos e fizessem gravações dele.

Pela manhã, militares já circulavam nas redondezas do hotel. Ao menos 12 se revezaram para fazer a segurança na área externa. Nos corredores do hotel, será permitida apenas a presença dos seguranças contratados pelo clube, como é feito em todas as viagens.

“Não podemos transformar isso em preocupação extra. A segurança será normal. As Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) estão bem escondidas na floresta, não temos com o que se preocupar”, disse Valdir Dutra, chefe da segurança corintiano.