O Corinthians Paranaense já tem dia e hora para nascer: 5 de fevereiro de 2009, às 11h30. É quando ocorre a solenidade de assinatura de contrato da parceria do J. Malucelli e o Corinthians original, em Curitiba. Participam do evento o presidente, Andrés Sanchez, e o vice de marketing do Timão, Luís Paulo Rosenberg, alem da diretoria do antigo Malutrom.

A parceira, alinhavada há cerca de um mês, já foi acertada na prática. Faltam apenas formalidades, como a aprovação das mudanças do nome de fantasia e do Estatuto Social em assembleia-geral extraordinária convocada para 12 de fevereiro com acionistas do J. Malucelli, que é uma sociedade anônima.

O evento de lançamento, anuncia o Jotinha, será acompanhado de almoço cujo cardápio é o barreado, prato típico da culinária paranaense. Uma escolha sintomática, uma vez que o abandono às raízes locais é a crítica mais comum ouvida contra o projeto criado por Joel Malucelli.

O novo clube será uma espécie de franquia do time paulistano, que trata da parceria como oportunidade para penetrar ainda mais no mercado paranaense. A nova agremiação será obrigada, por exemplo, a usar o mesmo símbolo do Timão verdadeiro (apenas com adaptações no nome e na data de fundação), que carrega a bandeira de São Paulo como adereço.

Com a permissão do uso do nome, o Corinthians Paranaense terá o mesmo fornecedor de material esportivo (Nike) e ações de marketing em conjunto com o da matriz paulistana.