Ganhar em série no Campeonato Brasileiro de pontos corridos, onde o equilíbrio prevalece, não é fácil. Neste domingo, às 16 horas, no Pacaembu, o Corinthians pode se igualar ao Cruzeiro, campeão em 2003 e dono da maior sequência de triunfos, com oito naquele ano. O atual líder venceu as últimas sete partidas e tentará a marca histórica justamente diante dos mineiros.

Mais do que entrar para a galeria dos recordes, o resultado positivo pode ajudar o Corinthians a se afastar bastante de um dos fortes candidatos ao título. Também serviria para a manutenção da vantagem na ponta de, no mínimo, três rodadas.

Com 28 pontos, o time alvinegro terá casa cheia para tentar abrir nada menos que 16 do Cruzeiro, rival duro com o qual travou batalha pelas primeiras posições em 2010. Acabou superado e perdendo a segunda posição e, consequentemente, a vaga direta à fase de grupo da Copa Libertadores da América na última rodada. O Fluminense sagrou-se o campeão.

O encontro chega recheado de polêmicas. Na temporada passada, mais precisamente na 35.ª rodada, também no Pacaembu, o resultado de 1 a 0 para os donos da casa foi muito contestado pelos mineiros. Eles reclamaram bastante de três gols anulados por impedimento e da marcação do pênalti que originou o último gol da carreira de Ronaldo. “Não acho que o jogo vai ser nervoso por causa daquele resultado. Os lances de impedimento foram todos bem marcados e a falta do pênalti, escandalosa”, afirmou o técnico Tite.

Na época, o técnico Cuca chegou a dar socos na mesa para definir a arbitragem do brasiliense Sandro Meira Ricci. Agora, os mineiros esperam acabar com a invencibilidade alvinegra como forma de vingança. Mas, no discurso, pregam cautela para um time quase imbatível sob seus domínios. São cinco vitórias como mandante e apenas dois gols sofridos. No ano passado, o Corinthians também brilhou em casa, ganhando 15 dos 19 encontros.

O problema é que o técnico Tite terá importantes desfalques: o goleiro Júlio César e o atacante Liedson, que só voltam em um mês, e o lateral-esquerdo Fábio Santos, suspenso. É hora de superação.