O Corinthians respondeu, por meio de nota oficial, ao comunicado emitido nesta terça-feira pelos empresários do goleiro Felipe, em que o clube é acusado por assédio moral.

Felipe está afastado do elenco desde o dia 22 de junho, quando comunicou aos dirigentes que tinha uma proposta do Genoa, da Itália. A negociação não deu certo, mas o Corinthians não aceitou que o goleiro fosse reintegrado ao grupo e exige que seus empresários ou o clube interessado em contratá-lo pague a rescisão – Felipe tem vínculo até junho de 2011.

Diante da postura dos dirigentes, os agentes de Felipe denunciaram o Corinthians através de queixa ao Sindicato dos Atletas Profissionais do Estado de São Paulo.

Confira a íntegra da nota do Corinthians:

O Sport Club Corinthians Paulista vem a público esclarecer que foi surpreendido com informações veiculadas na imprensa no dia de hoje dando conta de que os procuradores do atleta Luiz Felipe Ventura dos Santos teriam protocolado correspondência no Sindicato dos Atletas Profissionais do Estado de São Paulo, por intermédio da qual sustentam que referido atleta estaria sendo vítima de assédio moral e supostamente sofrendo humilhações por parte do Clube.

O Sport Club Corinthians Paulista refuta com veemência tais alegações, formuladas por pessoas que deveriam defender os interesses de seu representado e acabam por prejudicar a própria carreira do mesmo. O Corinthians não assedia moralmente nem humilha seus atletas ou qualquer outro funcionário de seus quadros.

E mais: o goleiro Felipe representa um verdadeiro patrimônio para o Corinthians, patrimônio este cujo valor seus representantes insistem em aviltar, sabe-se lá movidos por qual interesse.

O Corinthians conta e sempre contou com o goleiro Felipe. Ocorre que, mal orientado, o goleiro chegou a se despedir de seus colegas de grupo antes mesmo que seus empresários trouxessem a propalada proposta para que o atleta se transferisse ao clube italiano Genoa.

Como era interesse do atleta se transferir, o Corinthians aceitou a proposta de empréstimo apresentada pelo Genoa e saiu à busca de outro goleiro para compor o grupo.

Frustrada a negociação por iniciativa do clube italiano, o Corinthians já havia contratado outro goleiro. De qualquer forma, Felipe segue sendo funcionário do Clube e deve cumprir os treinamentos que lhe são determinados, mediante o acompanhamento de corpo técnico que o Clube sempre colocou à sua disposição.

Atualmente, o atleta está se recondicionando física e tecnicamente, justamente por ter deixado de cumprir na íntegra o programa de treinamento aplicado na intertemporada aos demais atletas do grupo.

Segundo a Lei Pelé, é dever do clube proporcionar aos atletas profissionais as condições necessárias à participação nas competições desportivas, treinos e outras atividades preparatórias ou instrumentais (art. 34, inciso II), ao passo que é dever do atleta participar dos jogos, treinos, estágios e outras sessões preparatórias de competições com a aplicação e dedicação correspondentes às suas condições psicofísicas e técnicas (art. 35, inciso I).

É isso que o Corinthians faz com todos os seus atletas, incluindo o goleiro Felipe: ministra treinamentos, proporcionando aos mais de cem atletas profissionais que tem registrados na CBF condições necessárias à participação em competições. Se o atleta vai ou não participar de uma competição específica, quem determina é a Comissão Técnica. Nenhum contrato de trabalho celebrado pelo Corinthians garante ao atleta a presença no grupo principal ou na equipe titular.

O Corinthians está cumprindo fielmente todas as suas obrigações legais e contratuais e espera que o goleiro Felipe faça o mesmo, a fim de que esteja à disposição da Comissão Técnica quando requisitado.