Depois de aliviar a pressão psicológica sobre o time com uma boa atuação contra o líder Cruzeiro, domingo, no Mineirão (empate por 1 a 1), o Corinthians tem outro desafio a superar: alterar o planejamento de trabalho para o primeiro semestre, feito em cima da Libertadores. Ou seja, o time deveria atingir o ápice da forma física entre fim de junho e início de julho, quando, acreditava, disputaria as fases finais da competição sul-americana. Com o término da Libertadores, o time deveria entrar num natural declínio físico. Agora, com a prioridade voltando a ser o brasileiro, que será disputado durante todo o ano, todo o planejamento terá de ser revisto.

O preparador físico Moraci Sant?Anna já demonstrou preocupação com essa situação. O assunto foi discutido recentemente com o técnico Geninho e com o fisiologista Renato Lotuffo. A comissão técnica pensou em levar o elenco para uma inter-temporada de 15 dias em Extrema (sul de Minas), mas como o clube perdeu cerca de US$ 2 milhões com a desclassificação na Libertadores terá de permanecer em São Paulo. Os treinamentos serão no CT de Itaquera pois o gramado do Parque São Jorge será reformado.

“Uma mudança no planejamento em meio à temporada é possível, mas não deixa de ser um quebra-cabeças”, alerta Moraci. “Como a nossa previsão era chegar ao ápice em junho, agora teremos de encontrar uma fórmula para redirecionar o trabalho. O desafio é evitar que o ?fio? vire antes da hora.”

A fórmula de disputa do Brasileiro, por pontos corridos, pode ajudar. Sem os ?mata-matas? e as finais, Moraci acredita ser mais fácil aplicar um novo método de trabalho. Com a desclassificação na Libertadores, o Corinthians terá quatro semanas sem jogos no meio de semana. “A idéia é intercalar a readaptação com os jogos pelo Brasileiro nos finais de semana. Vamos aproveitar esses quatro meio de semana livres para dosar o trabalho sem prejuízo dos resultados nas próximas partidas.”

O novo esquema vai funcionar como uma pré-temporada. Os jogadores passarão por novos testes de avaliação física e será feito o replanejamento. “Na primeira semana vamos aliviar o trabalho. A partir da segunda serão introduzidos os trabalhos de resistência, resistência e velocidade e só de velocidade”, detalha Moraci.

Geninho sabe que o futuro do time no brasileiro depende disso. Se for o caso, o técnico está disposto a elaborar um programa de revezamento de alguns titulares. Tudo vai depender do que mostrar a avaliação física desta semana. “É claro que quem estiver mais desgastado pode ganhar um descanso dentro de um planejamento que não atrapalhe a equipe no campeonato brasileiro”, observa o treinador.