Orlando Kissner
Renaldo espera a melhora do ataque com a presença de Maia.

O torcedor do Coritiba deve estar até cansado de esperar o time embalar no Brasileiro. A campanha irregular já decepcionou muitos, que não engoliram alguns resultados. Mas, desta vez, o Coxa chega encorpado para uma partida – no caso,

a das 20h30, contra o Juventude, no Alfredo Jaconi. Isto porque, depois de muito tempo, o técnico Cuca e os jogadores vêem força técnica no onze que entrará em campo e a expectativa é, enfim, aliar qualidade e motivação. Seria o renascimento, uma espécie de ?primavera? alviverde.

E por que isto pode acontecer justamente em Caxias do Sul? ?Eu sinto mais qualidade no time, vejo opções dentro e fora de campo, e principalmente percebo um grupo extremamente motivado?, explica o treinador alviverde. ?Contra o Fluminense, é claro que não fizemos uma partida maravilhosa, mas fomos um time que sabia o que queria e não descansou até o final da partida. Por isso sempre disse que o resultado tinha sido satisfatório, porque vi força de vontade em todos?, completa Cuca.

E ele sabe que não é só motivação, disposição ou entrega que fazem um time vencedor. ?Isto é 50%. Os outros 50% vêm da qualidade, da técnica, do bom futebol?, resume. Cuca acredita que, se não tem um time entrosado – a equipe que enfrentará o Juventude só fez um treinamento -, tem qualidade nos novos onze titulares. ?Nós conseguimos ter opções de jogadas, voltamos a ter liderança e velocidade, temos variações e temos também jogadores com vontade de fazer tudo isso. Neste momento, entrosamento é o menos importante?, revela.

Cuca e os jogadores garantem que não existe euforia exagerada. ?Não é isso. É uma constatação que já passamos pelo nosso mau momento e que chegou a hora da recuperação. E de que temos condição para esta recuperação?, diz o técnico. ?Claro que temos um adversário difícil para enfrentar, mas também temos capacidade para ir ao Jaconi e vencer o Juventude?, concorda o zagueiro Allan.

A partida desta noite é encarada de forma semelhante ao confronto com a Ponte Preta – assim como a Macaca, o Ju necessita vencer em casa e vai abrir espaços. ?É um jogo em que naturalmente vamos estar mais cautelosos, mas isto não significa que não vamos tentar a vitória?, comenta o zagueiro Vagner. O Coritiba será um time compacto, apostando muito nas jogadas de contra-ataque.

Com um sistema de jogo definido e apoiado na força defensiva (do trio de zagueiros e de Reginaldo Nascimento), Cuca espera que a nova formatação ofensiva, com Caio, Renaldo e Maia, dê certo. ?Tem tudo para funcionar, pois são jogadores que se complementam?, afirma. E os jogadores confiam que o confronto no dia em que começa a primavera (às 19h23) será o primeiro da retomada coxa. ?Estamos com um sentimento que chegou a hora da virada?, resume o capitão Nascimento.

Renaldo não está mais só

Ninguém consegue viver sozinho. Um atacante, então, dificilmente se consagra sozinho. Por mais individualista que ele seja, um matador não vive sem um outro jogador a acompanhá-lo e secundá-lo. Nos últimos jogos do Coritiba, Renaldo vivia um isolamento tão grande que poderia se encaixar na brincadeira de que, caso seguisse tão sozinho, poderia acabar sendo assaltado. Para o centroavante, a partida de hoje contra o Juventude marca um recomeço na trajetória dele no clube, desta vez tendo um companheiro no ataque – o veloz Maia.

Renaldo já andava ressabiado com a situação. Ele sabe que não vive um bom momento, mas ressalvava-se com a formação tática do Coxa. ?Pela força das circunstâncias, eu tive que ficar mais sozinho lá na frente, e isso acontece de vez em quando?, comenta. Para conseguir alguma criação de jogadas, o atacante se forçava a ir buscar jogo no meio, com certa dose de obstinação. ?O Renaldo não desistiu um jogo sequer. Contra o Fluminense, ele voltava para a defesa?, lembra o técnico Cuca.

Tal esforço diminuía as chances de Renaldo, quando possível, se desvencilhar dos adversários. Mesmo assim, ele admite que tem responsabilidade na má fase ofensiva do Cori – quatro gols (nenhum dele) nas cinco partidas do segundo turno do Brasileiro. ?Não vou ficar aqui criando escusas. Eu tenho que assumir a carga que eu tenho. Sou o responsável por marcar gols e eu não estou fazendo?, afirma.

Por isso ele tem motivos para estar mais esperançoso. A entrada de Maia aumentou as opções de jogadas ofensivas do Coxa, além de dar um ?refresco? ao centroavante. ?Agora eu não preciso mais ir tanto para o meio. Posso me preocupar com o que eu tenho que fazer, que é chegar na frente do gol e marcar?, diz, com seu estilo característico.

CAMPEONATO BRASILEIRO
2º Turno – 27ª Rodada
Em campo
Local: Alfredo Jaconi (Caxias do Sul-RS)
Horário: 20h30
Árbitro: Romildo Correa (SP)
Assistentes: Giovani César Canzian (SP) e Francisco Rubens Feitosa (SP)
TV: NET, Premiere Esportes, pay-per-view, canal 74, tel.: 4004-7777

JUVENTUDE X CORITIBA

Juventude
Fabiano; Éderson, Índio e Chicão; Lucas, Wellington Monteiro, Lauro, Caíco e Roger; Marcelinho e Josiel. Técnico: Sebastião Lazaroni

Coritiba
Douglas; Allan, Anderson e Vágner; James, Reginaldo Nascimento, Luís Carlos Capixaba, Caio e Rubens Júnior; Maia e Renaldo. Técnico: Cuca