e1b050205.jpg

Luís Carlos é a esperança
de gol do Alviverde.

Violão, pandeiro, tamborim na marcação e reco-reco… Viva o samba, mas quem vai "desfilar" no Willie Davids são Coritiba e União Bandeirante, que se enfrentam a partir das 16h, pela quinta rodada do campeonato paranaense.

Apesar do natural desinteresse pela partida (o sábado de Carnaval motiva para outros festejos), o jogo vale a recuperação coxa no estadual, além de servir de novo teste para a equipe não ‘atravessar o samba-enredo’ na avenida, quer dizer, na competição.

Depois de um início tradicional, sem grandes novidades, mas fazendo a sua parte, o ‘desfile’ coxa desandou em Apucarana, e precisou de uma escala em Brasília para retomar o ritmo – a classificação antecipada na Copa do Brasil animou o elenco e motivou a comissão técnica, pois uma semana se abriu para preparação e treinos. "Esse espaço que ganhamos será muito importante", reconhece o preparador físico Róbson Gomes. "Temos mais tempo para trabalhar o grupo", confirma Antônio Lopes.

O Delegado, como apreciador de samba (ele torce para a Estação Primeira de Mangueira), sabe que a harmonia é ideal – sem ela, não há evolução. "Contra o CFZ fizemos a nossa melhor partida do ponto de vista técnico. Erramos muito pouco, tivemos uma melhoria no passe e na conclusão, e o resultado foi a vitória que nos classificou com apenas um jogo", elogia o treinador alviverde, que dificilmente muda a estrutura tática, com apenas Reginaldo Nascimento como volante e três armadores (Reginaldo Vital, Luís Carlos Capixaba e Marquinhos).

Vital, um dos melhores em campo em Planaltina, teve a vantagem de enfim jogar em sua posição de ofício – a segunda função do meio-campo, marcando e se aproximando dos atacantes. "Realmente deu tudo certo, e eu tive como ajudar mais a equipe", comenta o jogador, que foi o "carregador de piano" coxa. "Ele cresceu, teve um índice de acerto muito grande e realmente foi importante na vitória", completa Lopes, que pensara neste 4-4-2 com três meias desde o início da temporada.

A formação só não será a mesma de quarta porque Negreiros foi vetado pelo departamento médico. "Ele se queixou de algumas dores musculares e a gente resolveu deixá-lo fora do jogo, até para que possamos fazer uma avaliação melhor durante a semana", explica o médico William Yousef, que programou um exame de ressonância magnética para o centroavante na segunda.

Em seu lugar, vai jogar Luís Carlos, que é carioca – como Antônio Lopes, a Mangueira e o Carnaval mais famoso do Brasil. Ele será o responsável pelos gols do Coritiba em Maringá. E, por conseqüência, a principal esperança de um carnaval para a torcida alviverde.

CAMPEONATO PARANAENSE
Súmula
Local: Willie Davids (Maringá)
Horário: 16h
Árbitro: Antônio Oliveira Salazar Moreno
Assistentes: Daniel Alves de Carvalho e Celso Ramos dos Santos

CORITIBA X UNIÃO BANDEIRANTE

Coritiba
Fernando; James, Miranda, Flávio e Ricardinho; Reginaldo Nascimento, Reginaldo Vital, Luís Carlos Capixaba e Marquinhos; Marciano e Luís Carlos. Técnico: Antônio Lopes

União Bandeirante
Nivaldo; Sinha, Éder e Casarotto; Peti, Carlinhos, Dênis, Rodrigo e Washington; Éder Paulista e Marquinhos. Técnico: Perrô

 Laterais-esquerdos na mira alviverde

No Alto da Glória, ninguém esconde que faltam ainda dois jogadores para fechar o elenco do Coritiba para a Copa do Brasil e o campeonato paranaense. A diretoria promete trazer mais um atacante e outro lateral-esquerdo – e este pode ser Rubens Cardoso, que deixou o Atlético-MG e está livre, ou Rubens Júnior, que já passou pelo Coxa em 1998. Segundo o presidente Giovani Gionédis, a ?sombra? de Ricardinho chega na próxima semana.

Para a diretoria, a contratação de um lateral é urgente, porque o titular está em mau momento. "Além disso, o Ricardinho está tranqüilo, sem se preocupar com disputa de posição. Ele pode ficar acomodado", resume um dirigente do futebol alviverde. Por isso a pressa em contratar. "Esse lateral-esquerdo virá logo, porque estamos precisando", confirma Gionédis.

Rubens Cardoso, 28 anos, se encaixa no perfil alviverde – com boa experiência (passou por Santos, Palmeiras, Grêmio e Atlético-MG), ele chegaria para disputar posição com Ricardinho. Sem mercado nos clubes do eixo Rio-São Paulo, o lateral torna-se uma opção mais ‘certeira’ para o Coxa, que não necessitaria negociar com qualquer outra equipe. Outro nome é Rubens Júnior, que desvinculou-se do Porto e foi oferecido ao clube. Ele também viria pelo custo dos salários.