Aristzábal esteve bem marcado, mas ainda
assim, perdeu boas chances em Assunção.

Agora, só um milagre. O Coritiba praticamente deu adeus às chances de classificação ao empatar com o Olímpia por 1×1, ontem, no Paraguai. Na próxima terça-feira, o time precisa vencer o líder Sporting Cristal e ainda torcer por uma combinação de resultados. No jogo de ontem, quem perdesse estaria eliminado. O fator campo não teve influência alguma no rendimento dos times.

O Coritiba comandou as ações durante todo o primeiro tempo. Jucemar e Adriano – foram presenças constantes no ataque e pelos lados do campo as melhores jogadas foram criadas. Aos 4 minutos, após cruzamento da direita e “furada” de André Nunes, Igor chutou mal, por cima do travessão. O goleiro Aceval precisou trabalhar por duas vezes. Primeiro numa falta cobrada por Jucemar, aos 11 minutos, e depois em jogada de Adriano, que se livrou da marcação e chutou cruzado, aos 20.

O volume era intenso, mas o gol surgiu em jogada individual de Luís Carlos Capixaba. O meia “roubou” a bola do zagueiro paraguaio, avançou e da entrada da área soltou o pé para vencer Aceval, aos 33 minutos. Pouco depois, Adriano tabelou com André e cruzou rasteiro, mas forte demais. Aristizábal não chegou a tempo. Aos 37 minutos, Igor cobrou falta para nova intervenção de Aceval. Carlos Kiese efetuou duas alterações, mas o empate foi um castigo para o time paranaense. Aos 43 minutos, López recebeu na área, tirou Márcio Egídio da jogada e bateu cruzado, no canto direito de Fernando: 1×1.

O Coritiba voltou com Luís Mário no lugar de Igor. Antônio Lopes já havia antecipado o desejo de lançar, na hora certa, um time, teoricamente, mais ofensivo. Com três atacantes, a equipe acabou ficando vulnerável e só não levou a virada pela incompetência dos finalizadores paraguaios. Camps, aos 2 minutos, tentou “de letra” e Fernando defendeu com os pés. Não fosse a ação de Miranda, aos 13 minutos, e Caballero ficaria só, frente a frente com o goleiro coxa.

Antônio Lopes trocou Capixaba por Pepo. Caballero ainda desperdiçou boa oportunidade, mas aos poucos o Coritiba chegou à frente. Aristizábal, aos 25 minutos, perdeu gol incrível. Recebeu cruzamento de Luís Mário e chutou fraco, facilitando a vida de Aceval. Pouco depois, Luís Mário bateu forte, da entrada da área, e a bola saiu rente à trave. Nos últimos minutos, Luís Mário avançou pela esquerda e cruzou para o Aristizábal. O colombiano chegou atrasado e ficou pedindo pênalti.

Lopes lamenta a falta de pontaria dos atacantes

O técnico Antônio Lopes creditou aos erros de finalização o mau resultado de ontem à noite. Para o treinador, o jogo foi franco, com os dois times se lançando à frente. “Tivemos a chance de matar, principalmente no primeiro tempo, e não o fizemos”, resumiu Lopes. Ele disse ainda que a atuação do Coritiba foi apenas regular, abaixo do que o time vinha apresentando nos últimos jogos do Paranaense. “Houve pouca movimentação, talvez devido à temperatura, e com isso os erros de passe se sucederam. Sem a bola nos pés, o time foi mal no segundo tempo”, comentou.

O meia Ígor, mais uma vez substituído no intervalo do jogo, reconhece que os principais finalizadores da equipe não estavam inspirados. “O Aristizábal está muito triste, pois poderia ter definido a vitória”, disse. O meia explicou ainda que neste jogo o Coritiba não conseguiu o crescimento técnico e tático de partidas anteriores. “Agora é pensar no Atletiba”, finalizou. O meia Capixaba garante que o resultado não afetará moralmente a equipe, que começa a decidir o estadual no sábado. “É outra competição e não devemos ficar lamentando o que passou. É importante que todos estejam concentrados neste jogo do fim de semana.

Negócio agora é “secar” o Rosário

Restando uma rodada para o término da primeira fase, o Coritiba precisa superar o Sporting Cristal (no próximo dia 13, no Couto Pereira) e “secar” o Rosário Central. Caso o clube argentino vença o Olímpia, em casa, o representante paranaense estará eliminado da Copa Libertadores da América. A torcida do Coritiba é por um empate neste jogo, preferencialmente sem gols. Mesmo assim, teria que derrotar o líder do grupo por pelo menos dois gols de diferença.

Neste caso, o Coritiba chegaria aos 8 pontos e ficaria à frente do Rosário no número de gols marcados. Isso daria ao Coritiba uma vaga na repescagem. Neste ano, classificam-se os campeões de cada chave e mais cinco segundos colocados. Os outros quatro segundos disputam duas vagas em jogos eliminatórios. No caso de vitória do Olímpia, o Coritiba terá, obrigatoriamente, que vencer sempre por um gol a mais que os paraguaios. Se o Olímpia fizer 1×0 e o Coritiba 2×0, os dois clubes terminariam a fase classificatória com campanhas idênticas e a definição da segunda vaga seria definida em sorteio.

Com apenas 5 pontos em 5 jogos (aproveitamento de 33,33%), o Coritiba se concentra mesmo é na decisão do campeonato paranaense, que começa no sábado. Em sua segunda participação na principal competição do continente, o time caminha para repetir o que fez em 1986, quando foi eliminado na primeira fase do torneio.

COPA LIBERTADORES DA AMÉRICA
1ª FASE – 5ª RODADA
SÚMULA
Local: Defensores del Chaco (Assunção).
Árbitro: Gustavo Méndez (URU).
Assistentes: Roberto Silvera (URU) e Walter Rial (URU).
Gols: L.C. Capixaba a 33? e López a 43? do 1.º tempo.
Cartões amarelos: Villalba e Caballero (Olímpia). Miranda e Márcio Egídio (Coritiba).

OLIMPIA x CORITIBA

OLIMPIA
Aceval; Del Campo, Villalba, Franco e Aquino; Enciso, Orteman, Quintana (Esteche) e López; Palacios (Camps) e Caballero. Técnico: Carlos Kiese.

CORITIBA
Fernando; Jucemar, Miranda, R. Nascimento e Adriano; Márcio Egídio, Ataliba, L. C. Capixaba e Igor; André Nunes e Aristizábal. Técnico: Antônio Lopes.