Lugar reservado no estádio, restaurantes panorâmicos e a possibilidade de vibrar com as jogadas de Ronaldinho Gaúcho ainda é uma utopia para os torcedores do Coritiba. Mesmo assim, o projeto que o clube lançou no mês passado, pela primeira vez tenta alinhar o Alviverde com o que as principais agremiações do mundo fazem para cativar seus torcedores e conseguir uma verba antecipada de bilheteria ao longo da temporada. Ainda não vai ter cadeira marcada, nem restaurantes luxuosos, mas o Coxa caminha para isso e oferece as jogadas de Henrique, Marlos, Pedro Ken e Keirrison enquanto o melhor do mundo brilha nos gramados europeus.

?A nossa intenção é aumentar o quadro associativo, democratizar o Coritiba e fidelizar esse torcedor dentro da nova regulamentação, que setorizou o estádio?, aponta Luís Henrique Barbosa Jorge, o Espeto, secretário do conselho administrativo do Coritiba. Ao contrário de outras campanhas lançadas esporadicamente, dessa vez o clube espera que o projeto se mantenha pelos próximos anos. ?Isso não é uma promoção, é uma regulamentação de sócios aprovada pelo conselho deliberativo e que está nos estatutos do clube. A nossa vontade é chegar a dez mil, mas nessa primeira etapa acreditamos em cinco mil?, projeta o dirigente.

Para chamar a atenção do coxa-branca para participar da vida do clube, o Coritiba lança mão de diversas facilidades.

O torcedor que aderir a esse plano e pagar em dia as 11 primeiras prestações, ganhará a 12.ª de graça. Além disso, estamos criando várias promoções, como sócios que serão sorteados para assistir a coletiva de imprensa, para ganhar a camisa do jogador, a bola, sorteios mensais de ingressos, camarote, passeios no CT e no estádio com o ônibus do clube. Estamos criando várias alternativas para que o torcedor não perca essa paixão pelo clube num mês em que não tenha muitos jogos?, avisa Espeto.

Tudo isso na visão da diretoria para que o clube tenha uma renda fixa, independente da presença do público nas arquibancadas. ?O clube consegue se organizar em termos de orçamento porque você não fica dependente de rendas, do clima de Curitiba e até desse horário das 21h45, que é complicado?, analisa. Ainda não é o ideal, mas o clube tem consciência das exigências futuras. ?A tendência é que o torcedor tenha lugar marcado no estádio, até pela exigência do Estatuto do Torcedor?, afirma. Além de tudo isso, o clube aposta no chamariz do direito a voto para atrair mais gente para o Alto da Glória. ?O torcedor vai poder participar da vida política do clube, que tanto foi comentada nos últimos tempos?, diz Espeto.