te81031204.jpg

Rafinha está ancioso pela
estréia no "maior do mundo".

Desde que o mundo é mundo, isto não muda. O Coritiba vai ter mais uma oportunidade na sua história de ser protagonista do futebol brasileiro. Domingo, às 18h, o adversário é o Flamengo, e o palco é o Maracanã. E quando se fala no sempre chamado de ‘maior do mundo’, a emoção é garantida.

Na partida do final de semana, o Coritiba tem dois jogadores que já vivem a ansiedade de fazer seu primeiro jogo no Mário Filho – o lateral-direito Rafinha e o atacante Alemão.

A expectativa de Alemão é tão grande que virou brincadeira dos companheiros. "Parece que ele, quando era mais jovem e ainda morava em Nova Iguaçu, mandou uma carta para o Ratinho para conseguir conhecer o Maracanã", ‘revela’ o volante Roberto Brum. A piada dos jogadores reforça, na verdade, a expectativa de um garoto (apenas 20 anos), nascido perto do Rio de Janeiro, em conhecer o grande alvo dos seus sonhos.

"Eu já estou ficando sem dormir agora", confessa Alemão, que atuou apenas em São Januário (na vitória coxa sobre o Vasco por 3×2, na qual marcou um gol). "Quando eu era menino, ficava pensando em jogar no Maracanã, ser um dos maiores jogadores do Brasil. Agora, eu vejo meu sonho se realizar, e jogando profissionalmente", completa o atacante, que até o início do ano era amador, e termina o campeonato brasileiro como uma das revelações da competição.

Ele – assim como Rafinha – busca a tranqüilidade nas declarações serenas de Brum e do técnico Antônio Lopes, que já sabem o que é a emoção de atuar em um Maracanã lotado (ver matéria). "É uma sensação indescritível, enfrentar o Flamengo é sempre diferente, mas é mais uma partida", diz o Senador. "Nós temos consciência que o jogo tem uma característica especial, só que a nossa preocupação tem que ser o Coritiba", completa o Delegado.

É desta forma que Rafinha pensa. Já escaldado pelas participações internacionais na seleção sub-20 ("É isso que me deixa seguro quanto à reação dos garotos. Eles já adquiriram experiência", festeja Roberto Brum), o lateral reconhece a expectativa, mas está pensando em um resultado positivo. "Não vou negar que estou ansioso, porque qualquer atleta sonha com a possibilidade de entrar em campo em um Maracanã lotado. Só que a prioridade é a nossa tentativa de classificação para a Copa Sul-Americana, e uma vitória é fundamental para nossos planos", avisa.

Não só isso. O Flamengo que o Coritiba enfrenta no Rio é um dos times mais ameaçados pelo rebaixamento, uma equipe que precisa desesperadamente da vitória para escapar do fantasma da segunda divisão. "Se depender da gente, vamos ajudar a enterrar o Flamengo. Vamos ao Maracanã para vencer", finaliza Rafinha.

Contusões geram duas dúvidas

Estava tudo indo muito bem. Após definir o Coritiba com cinco dias de antecedência, o técnico Antônio Lopes ganhou dois problemas para enfrentar o Flamengo: Reginaldo Nascimento e Adriano saíram contundidos do coletivo de ontem, e são dúvidas para a partida de domingo. Seria um golpe e tanto no esquema imaginado pelo treinador.

Sem Reginaldo Nascimento, o Coxa perde a flexibilidade tática – domingo, contra o Vitória, viu-se um time que mudava de sistema de acordo com as circunstâncias, e graças à presença do capitão. Sem Adriano, o time perde muito na capacidade ofensiva, pois fica sem sua jogada mais forte, a ‘combinada’ entre o lateral e Ricardo pela esquerda.

Nascimento reclamou durante o treino de dores no joelho, e foi constatada uma tendinite. Ele fica de fora do trabalho desta tarde para que reúna condições de jogar domingo. Enquanto isso, Vágner ocupa seu lugar. Adriano sentiu uma fisgada na coxa, e pode passar hoje por um exame de ressonância magnética. Ontem, Antônio Lopes passou Ricardo para a lateral e colocou Ataliba no meio-campo.

Animados, cariocas querem casa cheia

Há tempos o Flamengo não chegava a uma rodada tão animado. A vitória sobre o Palmeiras diminuiu as possibilidades de rebaixamento, mas ainda é necessário mais um resultado positivo – exatamente contra o Coritiba, no domingo. A diretoria anunciou promoção de ingressos semelhante à do Paraná Clube: cada entrada adquirida dá direito a mais uma. E o fato de o Maracanã possivelmente estar lotado é, surpreendentemente, um dos pontos que mais pode favorecer o Coxa no Rio de Janeiro.

Isso porque o famoso "oba-oba" está se instalando na Gávea. "A diretoria foi inteligente ao baixar preço dos ingressos. Nosso próximo jogo é em casa e com certeza vamos lotar o estádio. Vamos manter o foco no trabalho e fazer o impossível para conquistar mais três pontos", afirma o meia Zinho. Ontem, quando foram abertas as bilheterias do Maracanã, havia gente esperando para comprar ingressos – e mais de seis mil já foram vendidos antecipadamente.

Precavidos, o técnico Andrade e o diretor Júnior tentam segurar a empolgação. "Foi bom, foi bonito, mas um tropeço contra o Coritiba vai apagar tudo o que fizemos contra o Palmeiras", alerta Andrade. "Agora a obrigação de derrotar o Coritiba em casa ficou redobrada. Não se pode misturar tranqüilidade com acomodação. Não tem clima de oba-oba", garantiu Júnior.

Sabedor de como são as coisas no Flamengo, o técnico alviverde Antônio Lopes quer um time ‘esperto’. "Não podemos deixar a força da torcida fazer diferença. Temos que atuar da mesma forma que estamos atuando nas últimas partidas", comenta o Delegado, que treinou o Mengão em 1986 – e viu várias vezes a importância da massa rubro-negra trabalhando no Vasco e no Fluminense.

Além disso, a tática será enervar os cariocas. "Se o Flamengo não marcar cedo, a pressão pode mudar de lado", adianta o capitão Reginaldo Nascimento. "Nós podemos usar essa obrigação deles a nosso favor", completa o lateral Adriano. Conseguindo isto, o Coritiba retomaria a tradição de fazer grandes atuações no Maracanã.