O Coritiba cobra do Atlético, na Justiça Comum, a bolada de R$750 mil como indenização por dano moral pela transmissão irregular do jogo final do Campeonato Paranaense de 2018. Sem autorização do Coxa, o Furacão exibiu parte do Atletiba do dia 6 de abril pela internet no Youtube e no Facebook. O Alviverde tinha vendido seus direitos de transmissão para a TV Globo e, pela lei brasileira, uno jogo só pode ser exibido com anuência dos dois clubes envolvidos.

A reportagem da Gazeta do Povo apurou que o valor pedido pelo Alviverde tem como referência a quantia recebida pelo Furacão pelas finais do Estadual de 2016: R$ 1,5 milhão. Como a transmissão na internet foi só no duelo na Arena da Baixada, os advogados do Coxa pedem a grana proporcional.

O processo, protocolado na semana passada na 17ª Vara Cível de Curitiba, está no início e não tem data para ter o mérito julgado.

No início de abril, pouco depois da polêmica, o presidente coxa-branca, Samir Namur, garantiu que a situação chegaria nos tribunais. “O Coritiba também tem uma pretensão aí, que é moral, do uso indevido da sua marca, do seu nome, sem sua autorização. Então, o Coritiba também vai, dentro de uma estratégia jurídica, ingressar com medidas para reparar esse prejuízo moral que sofreu”, disse o dirigente.

Treta

O jogo decisivo do Paranaense foi transmitido pelo Furacão no Youtube, mas o sinal caiu aos 44 minutos do primeiro tempo, depois da reivindicação da TV Globo, dona dos direitos de transmissão da competição. Os minutos finais do jogão também foram mostrados no canal do Atlético no Facebook.

+ Veja também: Rede Max Atacadista tem promoções especiais nesta terça-feira

No ano anterior, quando o presidente Rogério Bacellar era o manda-chuva, três clássicos foram exibidos na internet. Na ocasião, ambos os clubes não haviam negociado os direitos com a televisão e decidiram mostrar os jogos na parceria, via streaming.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Corpos mumificados, fetos, esqueletos. Você já conhece o Museu do IML?