Com a tática de dois técnicos gaúchos,
o jogo ficou concentrado no meio- de-
campo. Adriano e Ânderson Lima disputam
o lance num empate ruim para o Coxa.

Propaganda enganosa. É essa a alegação que os 12.068 torcedores alviverdes podem argumentar caso queiram entrar com uma queixa na Justiça, contra o Coritiba, em relação a pagar ingresso para ver um espetáculo. O jogo da noite de ontem, no Couto Pereira, entre Coritiba e Grêmio, foi um dos piores do Campeonato Brasileiro deste ano e terminou como começou: num melancólico zero a zero. Menos mal que o Cori continua em sétimo.

Tanto coxas quanto gremistas maltrataram a bola e, fora lances esporádicos, o jogo foi uma sucessão de erros dos dois lados. Com o resultado, o Alviverde soma quatro partidas seguidas sem vitória. Em doze pontos disputados, conquistou apenas um. Para o tricolor gaúcho, o empate fora até pode ser considerado um bom resultado.

O Grêmio tomou a iniciativa e assustou Fernando. Mas foi Da Silva, dividindo lançamento em profundidade com Danrlei, quem deixou um fio de esperança nas arquibancadas.

Com Tite e Bonamigo nos bancos, não se poderia esperar outra coisa senão um congestionamento no meio-de-campo. Lima e Da Silva insistiam nas jogadas pelo setor, tornando-se presas fáceis para marcação gremista. Com o jogo truncado, os times não criaram boas chances de conclusão.

Com a dupla de ataque perdida no meio da marcação, o ataque do Cori sumiu. Foi necessário o avanço do zagueiro Edinho Baiano, surgindo como elemento surpresa, para levar um alento aos torcedores. E, como o alviverde não atacava, o Grêmio arriscou mais. Fernando defendeu a primeira bola perigosa aos 25 minutos. Na cobrança de falta de Anderson Lima, o goleiro espalmou para fora.

Logo depois, o tricolor gaúcho voltou à carga com Luiz Mário, que recebeu na frente, mas na hora da finalização o goleiro Fernando defendeu. Somente no final do primeiro tempo o Coxa deu o ar da graça no ataque. Num rápido contra-ataque, Reginaldo Araújo recebeu a bola na intermediária, arriscou com o pé esquerdo, mas o chute saiu fraco. Logo em seguida, foi a vez de Da Silva desperdiçar. O atacante recebeu na frente na área, mas mandou por cima do travessão.

A segunda etapa começou com o Grêmio melhor. Gilberto arriscou um chute de fora da área, e a bola passou perto da trave. Quando se pensava que os times voltariam mais determinados a buscar o resultado, nada disso aconteceu. Até os 15 minutos, o que se viu foram passes errados e lançamentos sem direção das duas equipes.

Impaciente, o torcedor pediu Jabá. E ele substituiu Lima, para desespero da torcida, que não aguentava mais a inoperância de Da Silva. Mas nem o talismã alviverde resolveu. Para piorar, quem quase marcou foi o Grêmio. Guilherme recebeu a bola na intermediária, tirou do goleiro, e cruzou. Edinho Baiano se antecipou e conseguiu salvar gol do Grêmio, pois a bola tinha como endereço os pés de Tinga.

Fernando teve mais trabalho. Tinga invadiu a área, recebeu um toque de Guilherme e chutou para a defesa do goleiro alviverde. Com a pressão gremista no fim da partida, o Coxa se retraiu ainda mais na defesa parecendo satisfeito com o resultado. Bastava uma forte marcação, para não levar o gol. Só Jabá ficava na frente, para receber lançamentos. Fernando e Danrlei garantiram o 0 a 0, com duas defesas espetaculares. O goleiro coxa, espalmou um chute de Luiz Mário, e o goleiro gaúcho defendeu um cabeceio de Da Silva. Nada mais que o empate. Para a irritação da torcida, que abandonou o Alto da Glória antes mesmo do apito final de Antônio Pereira da Silva.