te11010205.jpg

Jackson e Rodrigo Batatinha retornam
para reviver o time que ganhou
o bicampeonato.

O foco muda, mas a pressão aumenta. Se os resultados e a distância de Curitiba vinham dando tranqüilidade à comissão técnica do Coritiba, a derrota para o Roma em Apucarana (a primeira do clube no interior em quase quatro anos) permeou de dúvidas a caminhada alviverde. Só uma consistente vitória – e por conseqüência a classificação antecipada – na estréia da equipe na Copa do Brasil, amanhã, às 20h30, contra o CFZ de Brasília, aplacaria uma possível turbulência. O resultado serviu para a diretoria trabalhar, anunciando o retorno dos meias Jackson e Rodrigo Batatinha.

Os dois jogadores foram anunciados na tarde de ontem pelo presidente Giovani Gionédis, que batalhava há tempos pelo retorno de Jackson. O meia tinha deixado o Alto da Glória no final de 2003, indo para o futebol árabe – a renovação só não aconteceu porque o jogador tinha recebido uma proposta muito boa. "Se dependesse da gente, ele nem tinha saído", confirma Gionédis. A situação é semelhante à de Rodrigo, que deixou o Coxa por causa de uma oferta vantajosa do Puebla, do México – depois, ele foi repassado para o Lobos Buap, que também disputa a primeira divisão local.

Depois de deixar a Arábia Saudita, Jackson (de 31 anos), que ajudou o Cori a chegar à Copa Libertadores, passou pelo Ituano, e estava em São Paulo até ser recontratado. Rodrigo Batatinha, 27 anos, teve uma rápida passagem pelo clube no ano passado, mas foi um dos heróis da conquista do bicampeonato estadual. Ambos assinaram contrato por duas temporadas.

Irritação

Como nunca se viu antes, o técnico Antônio Lopes está reclamando dos jogadores. E mesmo sabendo que o campo de Apucarana não reunia condições para uma partida de futebol, o Delegado reclamou do time. "Nós estamos errando muito, tanto na parte defensiva quanto na ofensiva. Precisamos melhorar, porque desta maneira não vamos conseguir os resultados que estamos buscando", adverte ele, já pensando na partida contra o time de Zico.

Lopes não quis (como é de praxe nele) atribuir responsabilidade a jogadores específicos, mas a derrota para o Roma externou os problemas crônicos da equipe. Se conseguiu um armador na contratação de Marquinhos, o Coxa agora tem problemas no ataque, onde Negreiros, Marciano, Marcelo e Luís Carlos – todos contratados para esta temporada – não conseguiram se firmar como titulares.

E isso evidenciava a necessidade de mais reforços. Só que a posição oficial era a de não se ter pressa. "Nós não recebemos nenhum pedido específico da comissão técnica. Só que estamos atentos, buscando nomes que tenham qualidade e que se encaixam no nosso plano financeiro", afirma o gerente de futebol Oscar Yamato. Mas esta posição, ao que parece, não tinha sido passada para o presidente Giovani Gionédis. "Semana que vem vamos ter mais novidades. Possivelmente, um lateral esquerdo", avisa.

E enquanto a diretoria continua correndo para contratar, os jogadores tentam esquecer o Roma e pensar na Copa do Brasil. "Estamos respeitando o CFZ, sabemos que eles fizeram uma boa campanha ano passado. Mas nosso interesse é conquistar a vitória em Brasília e, se possível, conquistar a classificação antecipada", resume o zagueiro Flávio.

Quatro atacantes para duas vagas

O principal problema do Coritiba na temporada acabou virando a grande dúvida para Antônio Lopes. Sem um titular absoluto no setor, o Delegado abriu as opções – e Marciano, Marcelo, Luís Carlos e Negreiros disputam duas vagas. Na lateral direita, James permanece no lugar de Jucemar, que nem viajou para o Distrito Federal.

Lopes ainda espera uma atuação "definitiva" de um atacante. Luís Carlos, que foi bem na estréia do paranaense, caiu de produção e domingo ficou entre os reservas – a pedido próprio, já que se considera fora de forma. Negreiros, o único que começou jogando nas quatro partidas da temporada, é constantemente criticado pelo treinador. Marciano não aproveitou a chance que teve em Apucarana, e Marcelo foi o que menos atuou na temporada.

Em uma primeira análise, Marciano e Luís Carlos seriam os jogadores com mais chances de começar jogando. Mas como o gramado do Estádio Adonir Guimarães, em Planaltina, teria condições piores até mesmo que os campos de Cianorte e Apucarana (onde os times penaram para fazer a bola rolar), é possível que Negreiros ganhe mais uma oportunidade – decisiva, se lembrarmos que nas próximas semanas o Coxa anuncie um reforço para o ataque. Como pouco jogou, Marcelo corre por fora na disputa.

Nas outras posições, o Coritiba deverá ser o mesmo que enfrentou o Roma, com a manutenção do jovem James na lateral direita. Jucemar segue fora por causa de uma lesão muscular. "Nós ainda não temos um diagnóstico preciso, porque ele vai fazer a ressonância magnética. Mas ele, como tem um problema muscular, está vetado também para a partida do final de semana", conta o médico William Yousef, citando o jogo do sábado de Carnaval com o União Bandeirante, no Estádio Willie Davids.

Confirmado

Como nos anos anteriores, a Copa do Brasil tem em seu regulamento a brecha para classificação antecipada nas fases preliminares. Para o Coritiba passar direto, precisa vencer o CFZ por dois gols de diferença. Caso isso não aconteça, o jogo de volta está marcado para o dia 16 (quarta-feira), às 20h30, no Willie Davids.