Ricardo Wolffenbüttel
Caio, pressionado por Moreno,
não foi bem ontem.

Foi de doer. Sem nenhuma iniciativa, o Coritiba se limitou à marcação e teve que se contentar com um ponto num ?frio? 0x0 frente ao Juventude, em Caxias do Sul. O resultado manteve as equipes em uma posição intermediária na tabela do Brasileirão, fora da zona de classificação à Sul-Americana e distantes, no momento, da temida zona de rebaixamento.

O Coritiba foi um mero coadjuvante – ou seria figurante? – ao longo de todo o primeiro tempo. Exagerando nos erros de passes, o time de Cuca não conseguiu passar da intermediária adversária e só não saiu em desvantagem devido à péssima pontaria dos atacantes gaúchos. O melhor exemplo dessa imperícia foi um arremate de Josiel, que saiu pela linha lateral. Porém, mesmo sem muita qualidade, o Juventude teve sempre a iniciativa ofensiva.

O primeiro lance de perigo contra Douglas ocorreu logo no início da partida. Marcelinho passou pela zaga e tocou para Índio ?encher o pé? e mandar a bola rente à trave. Sem a participação dos alas, o Coritiba era refém das ações do adversário, que foi ocupando espaços e encurralando o time paranaense. Leandro Moreno, Josiel e Lauro desperdiçaram boas oportunidades. A ?resposta? coxa veio em um lance isolado, aos 35 minutos, quando Renaldo lançou Maia e o atacante chutou forte e para fora, com o desvio de Fabiano. O único chute a gol do Coritiba.

No final, o veloz Marcelinho ainda perderia um ?gol feito?. Ele recebeu de Marcelinho e tentou encobrir Douglas com uma ?cavadinha?, mas a bola subiu demais e foi pela linha de fundo. Cuca admitiu ter tido uma conversa ?dura? com os jogadores. Diante do péssimo futebol, decidiu não mexer no time, pois ?trocar duas peças de nada adiantaria?, frisou. Pois a bronca do treinador de nada adiantou. A única diferença prática foi a visível queda do Juventude, que mesmo assim desperdiçou duas boas chances de gol.

Caíco acertou o travessão em cobrança de falta e Douglas salvou o Coritiba em uma ?bomba? de Lauro, de fora da área. O Coritiba, a rigor, só atacou nos minutos finais, quando esteve perto do gol numa cobrança de falta de Capixaba. Muito pouco para uma equipe que tinha como meta disputar uma vaga na Libertadores da América. Agora, são 12 pontos de desvantagem para os clubes que hoje ocupam a zona de classificação à principal competição do continente. E a marola continua.

Cuca contemporiza o mau desempenho

?Pode ter certeza que lá dentro (no vestiário), ninguém chama ninguém de meu amor.? Foi assim que Cuca explicou o que rolou no vestiário coxa no intervalo da partida. Visivelmente descontente com a produção do time na fase inicial, o treinador colocou ?panos quentes? ao término do jogo, elogiando o rendimento da equipe na etapa complementar. Fez restrições aos alas e aos sucessivos erros em saídas de bola, mas enalteceu o fato do Coritiba ter completado seu segundo jogo sem sofrer gols (mas, sem marcar também).

Para o treinador, o Coxa vive um momento de recuperação do equilíbrio, abalado pela saída de alguns titulares lesionados e a chegada de novos valores. ?Estamos nos encontrando. Com uma vitória, a confiança volta e o time deslancha?, avisou. Cuca afirmou que essa vitória tem data marcada: domingo, quando o Coritiba recebe o Vasco da Gama, às 16h, no Couto Pereira.

CAMPEONATO BRASILEIRO
27ª RODADA
SÚMULA
Local: Alfredo Jaconi (Caxias do Sul).
Árbitro: Romildo Corrêa (SP).
Assistentes: Giovani César Canzian (SP) e Francisco Rubens Feitosa (SP).
Renda: R$ 9.832,00.
Público: 5.030 (total).
Cartões amarelos: Éderson, Lauro e Caíco (Juventude). Capixaba e Maia (Coritiba).

JUVENTUDE 0x0 CORITIBA

JUVENTUDE
Fabiano; Éderson (Marcão), Índio e Chicão; Lucas, Leandro Moreno (Wellington Monteiro), Lauro, Caíco e Roger; Marcelinho e Josiel (Marlon). Técnico: Sebastião Lazaroni.

CORITIBA
Douglas; Allan, Anderson e Vágner; James, Reginaldo Nascimento (Peruíbe), Capixaba, Caio e Rubens Júnior (Ricardinho); Maia e Renaldo (Marciano). Técnico: Cuca.