O Coritiba entra em campo hoje para esquecer os problemas administrativos e se preparar para o campeonato brasileiro. O amistoso contra o Internacional está marcado para às 16h15 na cidade de Cascavel. A partida faz parte das comemorações de uma torcida organizada do clube gaúcho com sede no oeste paranaense. Na preliminar, o time local enfrenta o Telêmaco Borba. Além dos festejos, o técnico Paulo Bonamigo quer esquecer os maus resultados dos últimos jogos e partir logo para a definição da equipe que estreará com o Vitória no Nacional.

“Nós perdemos o Liédson e o Gil Baiano, mas em compensação nós vamos ter o Tcheco, o Edinho Baiano e o Roberto Brum e aos pouquinhos a gente vê que a equipe está num crescimento”, comenta o técnico Paulo Bonamigo. Para ele, agora basta manter o volume de trabalho para que o Alviverde possa entrar com tudo na competição. “A gente tem que ter tranquilidade para que a equipe possa melhorar no conjunto”, prevê.

O amistoso contra o Internacional também marca uma nova etapa na preparação coritibana. Bonamigo se cansou de comandar reservas e jogadores em testes contra equipes de segundo escalão. Para ele, o Coxa precisa enfrentar times fortes para que se possa fazer uma avaliação real sobre o potencial da equipe. “Não adianta jogar o time titular contra equipes de segunda e terceira divisão porque isso só vai mascarar a nossa equipe. Temos que testar contra o Olimpia (semifinalista da Libertadores), Internacional (campeão gaúcho), então vai ser mais uma forma de avaliar o nosso garoto”, explica.

Mesmo assim, o treinador é realista. O time que entra em campo hoje não será o do Brasileirão. Com as chegadas de Edinho Baiano, Roberto Brum e de Genílson (além de outros reforços prometidos pela diretoria), a base será mudada significativamente.

Promessa

O lateral-esquerdo Adriano nem sabe se está acordado. Nem ele esconde isso de ninguém. Aos 17 anos, vive o sonho de jogar como profissional na equipe do Alto da Glória e, como titular. “Passei numa peneira, fiz mais de um mês teste no infantil e juvenil, fiquei alguns meses no júnior e agora subi para o profissional”, conta. “Era um sonho que eu vinha buscando faz tempo e que, graças a Deus, consegui realizá-lo”, finaliza.

Paulo Bonamigo escalou o Coritiba com Fernando; Picoli, Allan e Danilo; Reginaldo Araújo, Carlinhos, Lima, Sérgio Manoel e Adriano; Fávaro e Da Silva.

Jacob Mehl diz ter avisado sobre dívida

O ex-presidente do Coritiba, João Jacob Mehl, revelou ontem que já tinha avisado que era preciso pagar uma comissão ao empresário espanhol José Martín pela venda do meia Mozart. Foi em sua gestão que se começou a negociação para a venda do jogador ao Flamengo e que rendeu uma punição da Fifa. Ele também criticou um cronista esportivo (o nome não foi revelado) que se intrometeu na transação e que acabou prejudicando o clube, diminuindo o valor da venda.

?Vendemos o Mozart por US$ 7 milhões e um cronista que tinha uma carta para negociar o jogador com o Valencia disse ao Márcio Braga (ex-presidente do Flamengo e inimigo de Edmundo Santos Silva) que ele estaria vendendo o jogador por US$ 3 milhões. O Márcio questionou o pagamento de US$ 7 milhões e se desfez o negócio?, explicou. De acordo com ele, já na gestão de Sérgio Prosdócimo, foi feita uma nova negociação por um valor menor. ?Eu avisei que era necessário pagar a comissão para o espanhol?, disparou.

Ele também fez uma mea culpa pela crítica situação financeira pela qual passa o clube. Um dos últimos problemas (entre muitos) enfrentados pelo clube foi a penhora do CT da Graciosa pela falta de depósito do FGTS. ?Quase nenhum dirigente lembra de recolher esse dinheiro. Quando sobra algum, o diretor prefere contratar, arrumar o estádio e dar melhores condições de trabalho do que depositar essa quantia?, declarou. (RS)