coxa140205.jpg

Marciano comemora com Marquinhos
o segundo gol alviverde.

Deu a lógica no clássico entre Paraná e Coritiba, ontem à tarde, no Pinheirão. O Tricolor até tinha o mando da partida, mas quem mandou no jogo foi o Coritiba. Diante de um adversário desestruturado, o Cori passeou em campo e venceu por 3 a 1. Com o favoritismo jogando contra, o Paraná pouco pôde fazer, a não ser lutar até o fim. Mas como futebol não se faz apenas de garra, venceu quem teve mais técnica.

O mistério do técnico Paulo Campos na preparação do time reservou, de fato, algumas surpresas. O meia Willian foi escalado na lateral-direita, mesmo com o time jogando no 4-4-2. No meio, a grande novidade foi o meia Élton, atleta de 19 anos que brilhou na Copa São Paulo de Juniores.

Se com um time mais entrosado o Tricolor já não vinha jogando bem, com as mudanças ficou ainda mais desestruturado. Tanto é verdade que o primeiro gol do Coxa, logo aos 13 minutos, saiu justamente pelo desprotegido lado direito. Vital lançou Ricardinho, que fez bela jogada individual e cruzou para a área. Marciano, quase sem ângulo na linha de fundo, chutou para a meta de Flávio, que ainda bateu na bola antes dela entrar. Reconhecendo o perigo de manter o ofensivo Willian na lateral, Campos sacou o jogador e escalou João Vítor na zaga, deslocando João Paulo para a a ala-direita. Ao menos, o Tricolor ficou menos vulnerável.

Ainda do segundo tempo, Marciano provocou uma "explosão planetária" no Paraná. Depois de passar algumas vezes pela defesa tricolor, ele recebeu sozinho na área um passe açucarado de Capixaba e bombardeou a rede de Flávio, fazendo 2 a 0.

Baile

Enquanto a torcida esperava alguma mexida na equipe para a etapa final, Campos acabou forçado a sacar o goleiro Flávio, contundido, e escalar Darci. E Darci continuou tendo o mesmo trabalho de Flávio. Sem segurança defensiva no meio, o Paraná tentava parar dois ex-paranistas inspiradíssimos: Reginaldo Vital e Marquinhos. Junto com o lateral-esquerdo Ricardinho e com o atacante Marciano, o Coxa fazia bonito.

A festa coxa-branca parou apenas para dar oportunidade ao Tricolor de fazer o gol de honra. Aos 13 minutos, Edinho levou um encontrão de James na área e o árbitro assinalou pênalti. Renaldo manteve a escrita de nunca ter perdido uma cobrança e converteu.

E foi só. A blitz alviverde continuou e, cinco minutos depois, veio o golpe de misericórdia. Ricardinho, cobrando escanteio, fez um belo gol olímpico, levando a torcida à loucura.

Não bastasse o revés no placar e na qualidade técnica, o Tricolor ainda foi obrigado a jogar com dez jogadores nos quinze minutos finais. João Paulo torceu o tornozelo e como Paulo Campos já havia queimado as três substituições, o Tricolor teve que se virar com dez para impedir uma goleada. Pelo menos isso a turma da Vila conseguiu.

CAMPEONATO PARANAENSE
1ª Fase- 7ª Rodada
Local: Pinheirão
Árbitro: Carlos Jack Rodrigues Magno
Assistentes: Ivan carlos Bohn e Sérgio Aparecido Aléssio
Gols: Marciano aos 12 e aos 45 minutos do 1ºtempo; Renaldo aos 13 e Ricardinho aos 18 minutos do 2º tempo
Cartões amarelos: Reginaldo Vital, Beto, Marciano, João Vítor, Miranda e Fábio Lopes
Público pagante: 4.429
Renda: R$ 44.811,00

Paraná 1×3 Coritiba

Paraná: Flávio (Darci); Willian (João Vítor), Fernando Lombardi, João Paulo e Edinho; Axel, Beto, Élton (Thiago Neves) e Alberoni; Marlon e Renaldo. Técnico: Paulo Campos

Coritiba: Fernando; James (Pepo), Alexandre, Miranda e Ricardinho; Reginaldo Nascimento, Reginaldo Vital (Fábio Lopes), Capixaba e Marquinhos (Márcio Egídio); Marciano e Luiz Carlos. Técnico: Antônio Lopes.