A passagem apagada do atacante Alecsandro pelo Coritiba pode causar um grande prejuízo aos cofres do clube. No ano em que viu cair drasticamente a sua receita, já que não conseguiu o acesso à primeira divisão, o Coxa pode ter que pagar uma ação milionária ao centroavante, que é filho do ídolo e ex-atacante Lela. A pedida é de nada menos do que R$ 2,4 milhões e foi feita no Tribunal Regional do Trabalho.

A Tribuna do Paraná teve acesso à petição e a ação cobra do Alviverde os salários dos meses de outubro, novembro e dezembro, além do 13° e das férias, ainda acrescida do terço constitucional. Alecsandro ainda cobra a documentação do clube para poder sacar o seu FGTS. O salário do jogador no último ano alcançou o patamar de R$ 205 mil.

+ Leia também: Coxa lança time de basquete e quer disputar NBB em pouco tempo

Desta forma, o valor final pedido no processo consta os salários atrasados, incluindo 13° salário e férias, valores de FGTS, multa por conta do não pagamento das férias e das verbas rescisórias dentro do prazo. Todos os valores, segundo a petição, terão que ser corrigidos com juros. Assim, o pedido final chegou à marca dos 2,4 milhões.

+ Mais na Tribuna: Semifinais da Taça Dirceu Krüger estão ameaçadas

A ação de Alecsandro contra o Coritiba será julgada pela 20ª Vara do Trabalho de Curitiba e vai acontecer no dia 29 de agosto. Mesmo se condenado, o Coxa, através do seu departamento jurídico, poderá recorrer da decisão.

Custo alto

No ano em que convive com muitas dificuldades financeiras, o Coritiba poderá ter que arcar com um custo alto do processo do atacante Alecsandro. Um jogador que, nos quase dois anos que defendeu as cores do clube, pouco empolgou. Foram, ao todo, 46 jogos e apenas sete gols marcados. Neste período, o centroavante conviveu com várias lesões e chegou até a ser afastado do grupo na metade do ano passado.

+ Confira a classificação completa e a tabela de jogos da Taça Dirceu Krüger

Quando contratado, em 2017, ano em que o Coritiba caiu para a segunda divisão, o salário do atleta era de R$ 150 mil. Ao final do ano, mesmo tendo feito apenas 15 partidas, o jogador permaneceu no clube, por conta de uma cláusula no contrato, que previa a renovação automática do vínculo.

No ano passado, quando se apresentou, no início de janeiro, Alecsandro chorou e jurou amor ao Coritiba para recolocar o clube na elite do futebol brasileiro. Ao final de 2018, sem ter feito boas apresentações, ele não permaneceu e agora optou por cobrar o clube judicialmente.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!