O Coritiba segue carente de um homem-gol nesta temporada. Os atacantes de ofício ainda não balançaram as redes no returno, e todos os cinco gols do Alviverde foram anotados por meio-campistas. A escassez do sistema ofensivo do Coxa preocupa o técnico Marquinhos Santos, que tem contado com o oportunismo de Alex -autor de quatro gols – para salvar a lavoura.

A aposta da vez, diante do desfalque de Deivid, é o atacante Júlio César. Amanhã, contra o J. Malucelli, às 19h30, ele terá sua terceira oportunidade em sequência, apesar de não ter balançado as redes em nehuma delas. “Temos falado bastante com o Júlio (César). Com a lesão do Deivid, talvez seja o que precisa para dar continuidade e executar nos jogos o que faz nos treinamentos”, disse o treinador.

Dos 14 jogos que o Coritiba já disputou no Estadual, Júlio César atuou em 11. Destes, iniciou a partida como titular em 7 oportunidades, onde marcou cinco gols um na abertura do Estadual, contra o Cianorte, e outros quatro contra o Rio Branco, em jogo válido pela 9.ª rodada. No Gigante do Itiberê, o jogador parece ter gastado todo o seu repertório.

Em jejum desde 18 de fevereiro, o atacante deixa a paciência da torcida no limite. Sábado, contra o Cianorte, ele só não foi vaiado efusivamente por que Alex pediu calma aos alviverdes. Mesmo assim, por ser “leão de treino”, o jogador tem a confiança de Marquinhos Santos. “Acho que é a fase, e que todos os atacantes, independente(mente) da idade ou momento que está na carreira, podem passar. Ele é um profissional extremamente comprometido, e tem treinado muito. Só a sequência é que vai fazer com que ele possa produzir aquilo que já mostrou”, analisa o técnico.

A consequência direta do jejum vivido pelos atacantes de ofício é que e a média de gols marcados pelo clube no Paranaense 2013 diminuiu sensivelmente, se comparado aos campeonatos anteriores. Além de Júlio César, Deivid também tem deixado a desejar nesta temporada. No Estadual, ele soma quase a mesma quantidade de gols e de expulsões: 3 para 2 cartões vermelhos.