O Atletiba de domingo promete ser uma verdadeira prova de fogo para o Coritiba. Em caso de vitória, o time – atual 15.º colocado – inicia com moral uma recuperação dentro do Campeonato Brasileiro. Já se o resultado for negativo, além de completar sete partidas sem vencer, e se afundar de vez na crise, a promessa de críticas mais ostensivas por parte da torcida pode se concretizar. Ontem foi dado o primeiro aviso: após a derrota por 2 x 0 para o Flamengo, os muros do Couto Pereira foram pichados.

O protesto fez clara referência ao ano de 2009 – o mais sombrio da história do clube. Mais especificamente à tarde de 6 de dezembro daquele ano, quando o Coritiba empatou por 1 x 1 contra o Fluminense e teve seu rebaixamento à Série B decretado. Logo após o fim do jogo, torcedores invadiram o campo e protagonizaram o mais emblemático caso de violência registrado na história recente do futebol brasileiro.

O enredo da fatídica campanha de 2009, aliás, em partes se assemelha à atual. Na altura da 25ª rodada, a mesma em disputa no Brasileiro, o Alviverde também ocupava a 15.ª colocação. Apesar da proximidade com a área de descenso, só ingressou na zona de rebaixamento na última e decisiva rodada.