O técnico Ney Franco, antes mesmo da entrevista coletiva começar depois da vitória sobre o Palmeiras, na quarta-feira, aproveitou para se pronunciar e defender o volante João Paulo. De acordo com o treinador, a pressão externa era muito grande para que o jogador estivesse na lista de afastados, divulgada na semana passada, e garantiu que ele está de corpo e alma comprometido em tirar o Coxa da zona de rebaixamento.

“Quero pedir ao torcedor do Coritiba um carinho especial ao João Paulo. A pressão durante a semana para não escalar e afastar ele do grupo foi muito grande. Ele é uma opção que a gente tem. Não adianta ficar de lenga-lenga que ele tem caveira no corpo (símbolo do Atlético), que é mentira. Esse tipo de coisa só tumultua’, desabafou Ney Franco, que ressaltou a importância que o volante tem também fora de campo.

“Além de ele nos ajudar muito dentro, ele contribui muito fora de campo, pela liderança que tem no grupo. Já perdemos muitos jogadores por lesões, por cartões e não podemos perder jogadores por esse tipo de coisa, por circunstâncias pequenas, bobas, mesquinhas. O atleta não tem caveira no corpo e está de corpo e alma no trabalho do Coritiba”, finalizou.

Lúcio Flávio

Além de João Paulo, outro alvo de elogios do técnico foi o meia Lúcio Flávio. Regular contra o Palmeiras e atuando tanto na armação, quanto de segundo volante, o experiente jogador foi, para o treinador, um dos destaques positivos do Verdão.

“Pito”! Leia mais do Coxa na coluna do Massa!

“Em outro momento fui indagado porque o Lúcio estava jogando de segundo volante. Ele atuou no segundo tempo contra o Palmeiras e melhorou muito o desempenho dele. Temos que saber que alguns momentos do jogo vai dar certo e em outros não. O Lúcio fez uma partidaça e foi um dos melhores contra o Palmeiras. Esperamos que ele e outros jogadores que foram bem possam repetir no jogo diante do Vasco, no Maracanã”, finalizou.

DM vem preocupando Ney.

Titulares indefinidos

Com muitos problemas de suspensão e lesões para escalar o Coritiba, o técnico Ney Franco está precisando se reinventar a cada rodada e ainda segue procurando o ‘onze ideal’ do Alviverde. O treinador afirmou que as seguidas lesões e os problemas por suspensão têm atrapalhado na montagem e na definição do time titular na competição.

“Tivemos em um jogo dois atletas fraturando o nariz. Contra o Palmeiras o Rafhael (Lucas) saiu no primeiro tempo. O Ruy, que voltou agora, sentiu de um jogo para o outro. São muitas mudanças, muito mais por causa da parte clínica e não por erro do departamento médico, e sim por causa de choques, torções, que não temos como prevenir. Esse é o problema que temos de um jogo para o outro e esperamos que agora o vento vire a nosso favor”, destacou o comandante coxa-branca.

Paraná Online no Facebook