Um pênalti duvidoso, é verdade, mas a vontade de fazer o gol era grande e Bill pegou a bola confiante na possibilidade de marcar. O cobrador oficial era Marcos Aurélio, que perdeu um contra o Paraná Clube na quinta-feira e abriu mão para o companheiro.

Na cobrança, o centroavante mandou a bola na arquibancada e a torcida vaiou o camisa 9. Resumo da ópera: ordem no vestiário do técnico Ney Franco para todos os jogadores que quem bate daqui para frente sempre será Marcos Aurélio.

“O Bill é um jogador que chegou um pouco atrasado em relação ao nosso trabalho. Em alguns jogos a gente passa quem é o batedor oficial e para esse jogo específico, não. Teve um probleminha, o Marcos Aurélio é sabedor, isso já foi resolvido no vestiário no intervalo, em todos os jogos o Marcos Aurélio é responsável por bater as penalidades”, apontou o treinador. Se não. “Ainda bem que, embora, não tenha sido gol, a gente venceu a partida porque se não vence a responsabilidade cai muito em cima dele (de Bill)”, avisou Ney.

O centroavante não comentou o lance após a partida, mas Marcos Aurélio garante que não abre mão mais das cobranças. “Já foi falado e daqui pra frente no momento em que acontecer não vou deixar ninguém bater”, garantiu.

Para ele, Bill mostrou confiança quando pegou a bola. “Eu falei “você sabe que eu sou o batedor oficial então a responsabilidade é sua’, ele passou confiança para mim então deixei ele bater, achei que ele iria fazer e acabou sendo infeliz”, revelou.

Para o camisa 10, o mais importante foi que a equipe não se abateu com o desperdício da penalidade. “Todos treinam pênalti durante a semana, ele bate muito bem e hoje (ontem) não foi o dia dele, mas nesse momento a gente tem que apoiar. Eu errei na quinta-feira, ele errou hoje (ontem), mas o importante é que a gente venceu e nossa equipe está unida e concentrada”, finalizou o camisa 10.