Recuperando a confiança e a titularidade do Coritiba após a chegada do técnico Argel Fucks, o atacante Alecsandro vai dando a volta por cima na carreira e no próprio Coxa. No clube desde o ano passado, o jogador disputou 40 jogos no total e marcou apenas quatro gols. Porém, de um tempo para cá, ele voltou a ter motivos para sorrir.

+ Leia também: Samir Namur já projeta 2019 com Coxa na Série B e menos grana

Desde que o novo treinador chegou, Alecsandro se tornou titular absoluto, ficando de fora apenas do empate em 2×2 com o Figueirense por conta de uma lesão. E com o atual comandante, o Alviverde também viu a possibilidade do acesso se tornar realidade.

“São poucos jogos com o Argel, mas temos que parabenizar o trabalho dele, que nesse período conseguiu mudar a característica da equipe. Confesso que se o Argel estivesse aí desde o começo faríamos um trabalho bem melhor. É um cara que trabalha bem, entende de futebol e não à toa foi campeão onde passou”, afirmou Alecsandro, que viveu uma realidade bem diferente em agosto.

+ Mais na Tribuna: Coritiba terá que conseguir feito inédito pra terminar no G4

Na ocasião, ele foi afastado pelo técnico Eduardo Baptista e passou a treinar em separado. Porém, logo depois o treinador foi demitido, assim como membros da diretoria, e, em seguida, o atleta voltou às atividades normalmente. E em comparação aos dois trabalhos, o jogador foi enfático ao dizer que o Coritiba só não está melhor na Série B por causa do ex-comandante.

Eduardo Baptista foi demitido do Coxa em agosto, com baixo rendimento. Foto: Marcelo Andrade
Eduardo Baptista foi demitido do Coxa em agosto, com baixo rendimento. Foto: Marcelo Andrade

“(O problema) era questão de trabalho. Agora é um trabalho totalmente diferente. Para mim, pela situação que eu vivi com o outro treinador, outra comissão técnica, mas quem sabe da minha sinceridade, da pessoa que eu sou, sabe que estou falando a verdade. É uma outra maneira de conduzir os atletas, de mostrar em campo o que ele quer e trabalhar bastante o poder ofensivo”, ressaltou.

+ Problemas: FPF ‘pena’ pra deixar o Paranaense atrativo

Para Alecsandro, a grande diferença entre um e outro é o conhecimento do futebol. Enquanto Argel foi zagueiro e sabe a vivência em campo, Eduardo Baptista se formou fora dos gramados e foca apenas no trabalho prático.

Confira a classificação completa da Série B

“É fácil dizer, eles vêm do estudo, não do conhecimento do dia a dia. Esta é a diferença de um treinador acadêmico do ex-jogador. A cabeça é diferente, ele não foi jogador, não viveu o dia a dia, não sabe o sentimento do atleta, isso é muito difícil. Já trabalhei com acadêmico, que é bem diferente, ele tem um pensamento de trabalho, que o que ele estudou é o certo”, acrescentou o atacante.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!