Se durante a semana o clima já era outro no CT da Graciosa com a saída de Ivo Wortmann, com atletas mais animados após o vexame (1 a 0) diante do Iraty,  com a chegada de René Simões a empolgação é maior ainda. No primeiro contato com o elenco, o novo treinador já encantou os jogadores, que prometem empenho maior para não deixar o Atlético se sagrar campeão no ano do centenário alviverde. O problema é conter a ansiedade num grupo que não vê a hora de entrar em campo para apagar a péssima imagem deixada contra o Azulão.

“É um jogo diferente, onde qualquer descuido pode dar a vitória ao adversário”, avalia o líbero Rodrigo Mancha. O companheiro de zaga Felipe segue o tom. “É ganhar ou ganhar. Ainda pensamos no título”, aponta o defensor. Mas, será que dá, Willian? ”Esse é o jogo de matar três leões, é o jogo mais importante.  Vamos buscar da melhor maneira possível, com garra, determinação, vontade, espírito de luta”, avisa o volante.

É nessa chance remota que os jogadores também estão se apegando para fazer um bom papel na Baixada e buscar a vitória. “Temos que fazer a nossa parte e ficar de olho no outro resultado. Não queremos que o Atlético seja campeão em cima da gente”, diz Felipe. Segundo Mancha, o time não pode desanimar. “Enquanto tivermos chances vamos acreditar. Precisamos fazer a nossa parte e torcer pelo tropeço do Jotinha”, diz o líbero alviverde. Já o meia/ala-esquerdo Carlinhos Paraíba diz que o Coritiba tem  a obrigação de vencer. “Time grande é assim, e com o Coxa não é diferente”, aponta.

E a chegada de René? “Além de ser um grande treinador, ele sabe motivar o grupo como ninguém”, analisa Felipe. Tanto ele como Mancha trabalharam com o profissional em 2007 na conquista da Série B e têm boas lembranças. “O René já mostrou que é um excelente treinador e vem pra acrescentar. O bom é que ele já conhece boa parte do elenco e sabe o potencial dos jogadores”, finaliza Mancha. Na preleção, o novo treinador estará presente e falará aos atletas, mas quem sentará no banco será Edison Borges.