O Coritiba confirmou na tarde desta segunda-feira (13) as contratações do meia Carlos Eduardo e do atacante Guilherme. Na coletiva em que confirmou Tcheco como treinador, o presidente Samir Namur já havia afirmado que os dois estavam acertados, mas que as mudanças na comissão técnica adiaram o anúncio.

Carlos Eduardo não ficou nem uma semana desempregado. Após pedir para rescindir contrato com o Paraná Clube, na última terça-feira (7), o jogador acabou acertando sua transferência para o Coritiba e foi anunciado nesta segunda-feira (13).

“(A torcida) Vai ver um atleta bastante dedicado, estou tendo a oportunidade de jogar em um grande clube, eu estava em um grande clube também, mas vou dar o meu máximo para conquistamos as vitórias e o nosso objetivo maior, que é subir para a primeira divisão”, disse o atleta, em entrevista aos canais oficials do Alviverde.

Aos 31 anos, Carlos Eduardo chega para o seu oitavo clube na carreira. Revelado no Grêmio, em 2007, defendeu também o Hoffenheim, da Alemanha, Rubin Kazan, da Rússia, Flamengo, Atlético-MG e Vitória, antes de chegar no Tricolor, no início deste ano.

“Chego bastante maduro, até por onde passei. Tive dificuldades, então estou em uma idade boa, experiente e acho que vou ajudar”, ressaltou

Em 2018, o meia jogou apenas 16 partidas e marcou dois gols. Ficou um período sem atuar por conta de lesão, algo que o acompanhou durante boa parte da sua carreira. Mas agora ele garante estar totalmente recuperado e pronto para atuar.

“Lesões fazem parte do futebol. Vários jogadores têm histórico de lesões. Eu tive um no joelho, que foi grave, mas já estou 100% e apto para ajudar”, garantiu Cadu.

Confira a classificação completa da Série B

Já Guilherme, de 23 anos, iniciou no Cotia, em Santa Catarina, e passou por Grêmio e São José-RS até chegar ao Botafogo, onde chamou a atenção do futebol nacional. Neste ano defendeu a Chapecoense, mas acabou perdendo espaço.

“Estou muito feliz pela oportunidade de vestir esta camisa, vou me dedicar ao máximo dentro de campo para garantir o acesso do time a Série A”. disse ele, que explicou como gosta de jogar.

“Costumo dizer que onde eu chego quer ser um jogador para ajudar aquilo que o clube almeja. Sou um jogador de velocidade, de drible e goleador. É isso que um atacante precisa”, completou.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!