O maior adversário do Coritiba no jogo decisivo da Copa do Brasil, amanhã, pode não ser o Vasco da Gama, mas sim o cansaço. Sacrificado pelo próprio sucesso, o Alviverde só perde para Santos e Ceará como time que mais entrou em campo em 2011.

Foram cinco atuações a mais que o rival carioca. Enquanto o Coxa vem de uma maratona de 36 partidas pelo Paranaense, Copa do Brasil e Brasileiro – e que poderia chegar a 38 se não tivesse evitado a final do Estadual -, a equipe cruzmaltina acumula 31 jogos no ano. Como a temporada começou em 16 de janeiro, dá uma média de um jogo a cada quase quatro dias.

Alguns jogadores chegaram a entrar em campo 32 vezes, como o goleiro Edson Bastos e o volante Léo Gago, mas a comissão técnica garante que o planejamento foi bem feito e a folga no final de semana ajudou na recuperação de todos.

“Desde que fizemos o planejamento a gente já sabia que teríamos um começo de primeiro semestre complicado. Nos programamos para isso, desde o início da pré-temporada. A opção de ter ido para Foz do Iguaçu foi justamente pensando na quantidade de jogos que a gente teria no primeiro semestre”, disse o preparador físico Alexandre Lopes.

Segundo ele, mesmo com tantas partidas, o grupo vai chegar bem amanhã. “Como tudo foi planejado com antecedência, nos trouxe uma condição boa até esse momento. Estamos conseguindo ter quase todo o grupo em condição para os jogos”, avalia.

Por isso, ele descarta queda de rendimento de alguns atletas, como Léo Gago e Davi.

“O Léo Gago e o Davi, por exemplo, eram destaques até uma, duas semanas atrás, e creio que isso não é empecilho e, às vezes, as circunstâncias de alguns jogos fazem com que uns rendam mais ou menos e não creio em nenhum aspecto físico relevante nesses casos”, minimiza.

Mesmo assim, o descanso no domingo foi pensado em função da decisão. “A ideia era ter todos os jogadores em condições para quarta-feira (amanhã)”, aponta o preparador.

De qualquer forma, tanto Edson Bastos como Jonas atuaram mais vezes que o Vasco e olha que o time carioca poupou os titulares várias vezes no ano.

No momento, o departamento médico corre para tentar liberar o atacante Marcos Aurélio, enquanto o volante Leandro Donizete e o zagueiro Pereira estão vetados.

No domingo, os laterais-esquerdo Eltinho e Triguinho voltaram a atuar após períodos longos afastados e são boas opções para o técnico Marcelo Oliveira.