Ainda com a sequência de cinco vitórias fora de casa no primeiro turno na cabeça, o Coritiba tenta reviver aquele período da Série B para ter um novembro “mais tranquilo”.

Mesmo refugando qualquer tipo de contagem regressiva, finalizar a competição sem pressão é a nova meta do Alviverde e isso passa por uma vitória hoje sobre a Ponte Preta.

Por isso, contra a Macaca é clima de decisão, até porque o adversário é um concorrente direto e ficaria mais distante de ameaçar o próprio Coxa. O confronto contra os paulistas começa às 19h no Moisés Lucarelli.

“É claro que a gente quer conquistar o acesso o quanto antes possível. O objetivo de todo mundo é chegar em novembro mais tranquilo, mas sabemos que é um campeonato difícil e complicado. Vamos batalhar para conseguir isso o mais rápido possível”, aponta o atacante Leonardo. E mais.

Para ele, a liderança ajuda nessa busca. “Uma coisa é você viver o dia a dia com pressão, outra coisa é estar na ponta da tabela. Tem uma certa tranquilidade para trabalhar, mas amanhã (hoje) já tem um jogo contra a Ponte Preta e não podemos vacilar porque qualquer vacilo perde a ponta, já começa a complicar e a pressão já vem”, alerta o avante.

No entanto, os bons números da equipe na própria Série B passam essa tranquilidade de que é possível manter o bom ritmo voltando a jogar fora de casa.

“Tivemos uma sequência de 11 jogos somando pontos, não começamos o campeonato bem e fomos crescendo justamente nesse momento. Como começamos o segundo turno melhor que o primeiro, nos dá uma perspectiva de continuar nessa batida conseguindo pontuar fora de casa”, analisa o técnico Ney Franco.

Mas ele mesmo avisa que em algum momento, o time pode tropeçar. “As coisas não são fáceis e nem sempre acontecem como a gente quer”, diz treinador. Ney quer usar toda oportunidade que tiver para conseguir o acesso o quanto antes.

“Pelo desempenho da equipe, pelo potencial do grupo e pelo trabalho que está sendo desenvolvido podemos confirmar uma classificação para a Série A não só confirmando os jogos em casa, mas nos jogos fora de casa também”, finaliza.

Numa projeção atual seriam necessárias mais seis vitórias e dois empates para o time obter 66 pontos. Esse número reflete o desempenho do atual 4.º colocado, o Figueirense, que tem 42 pontos em 24 jogos.