O Coritiba voltou ao normal ontem à noite e goleou mais um adversário na Série B, mantendo o 100% de aproveitamento no Couto Pereira, desde que voltou a atuar no estádio após a suspensão. Com o 5 x 1 sobre o Vila Nova (GO), o Alviverde ficou ainda mais próximo de confirmar matematicamente o acesso. Com 59 pontos, abriu 4 de vantagem para o 2.º colocado (Figueirense) e 10 para o Sport Recife, que está na 5.ª colocação. No sábado, o desafiante será o Paraná Clube, rival e ascendente na competição. O clássico será às 16h, também no Alto da Glória.

Após o tropeço de sábado contra o Sport (com participação da arbitragem) o Coritiba voltou para casa para reencontrar-se com a vitória. Mesmo diante de um adversário que está apenas lutando para não cair, a ordem era ter respeito. Por isso, o time procurou marcar forte e não dar espaço para a reação da equipe goiana. O Coxa também apresentou uma postura mais ofensiva, com Tcheco atuando de segundo volante e Léo Gago mais recuado. Além disso, Marcos Aurélio voltou a ser titular e vestiu a camisa 100, pelos cem jogos defendendo o Alviverde. Mas nem ele nem os companheiros queriam festa e a blitz inicial trouxe resultado nos primeiros minutos.

Lançado pela direita, Fabinho Capixaba curtiu uma de ponta e quase marcou. Max rebateu, Enrico tentou, mas a bola sobrou para Léo Gago fuzilar aos 6 do 1.º tempo. Após sururu na área, ele meteu o pé na bola, que desviou e entrou. Após o 1 x 0, o jogo tornou-se fácil e propenso a mais do Coxa, mas o árbitro Marcelo de Lima Henrique viu falta de Cleiton em Bruno Lopes na área e marcou pênalti. A marcação foi contestada pela galera e pelo time inteiro, mas o próprio zagueiro chegou a declarar que puxou a camisa do rival, apesar de considerar esse agarra-agarra na área normal. O próprio Lopes cobrou e empatou aos 24.

Porém, o Coxa era melhor, não se abalou e foi buscar o desempate. Leonardo, Enrico, Marcos Aurélio tentaram, mas quando a bola sobrou para Triguinho na área, o camisa 6 encheu o pé e mandou a bola para a rede, aos 33 da etapa inicial. Era só o começo da goleada. O Alviverde queria jogo e na volta do intervalo já empurrou o Vila para a defesa. Numa roubada de Lucas Mendes, que havia entrado, ele foi à linha de fundo e deu o gol de presente para Fabinho Capixaba, que só completou a 1 do 2.º tempo. O quarto poderia ter vindo com Tcheco, mas ele desperdiçou penalidade máxima, que Max defendeu.

O lance não fez falta. A torcida ainda tinha o que comemorar e saiu do chão duas vezes com Pereira de cabeça, aos 19, e Leonardo, aos 29, numa jogada de craque, mandando a bola no ângulo. A construção da goleada deixou a torcida eufórica, que passou a gritar a plenos pulmões “Vamos subir, Coxa!”, enquanto os poucos torcedores da equipe de Goiânia murcharam, após a animação no 1.º tempo, e foram embora mesmo faltando dez minutos para o final da partida.