Um local para sonhar e reviver grandes emoções do passado. Assim pode ser considerado o Espaço 100, que o Coritiba, o Grupo Helênicos e vários patrocinadores do clube inauguraram ontem no Couto Pereira.

E a torcida fez fila para conferir o local, que está situado na Rua Mauá, que também ganhou novas e modernas bilheterias e ainda vai ter uma loja totalmente remodelada na quinta-feira.

Tudo isso faz parte do que o Alviverde está chamando de Nova Mauá. A revitalização da área deu um novo visual ao local e quem foi ontem ao Alto da Glória já pôde conferir tudo de perto.

O melhor de tudo, no entanto, está num trabalho que começou com os Helênicos, passou pelo clube e teve a participação dos patrocinadores. Assim como grandes clubes oferecem aos próprios torcedores e turistas, o Coxa agora tem o seu memorial, com várias relíquias de todas as épocas do centenário.

Na abertura, uma série de camisas usadas pelos jogadores, cortesia do colecionador Fernando Cabral. São modelos usados nos principais títulos como o Brasileirão de 1985, a conquista da Segundona em 2007 e modelos atuais autografados pelos principais jogadores.

Mas não para por aí. Fotos históricas, faixas de campeão, objetos históricos e o primeiro escudo do Coritiba que foi resgatado e está exposto, flâmulas de outros clubes trocadas em confrontos como Borussia Dortmund/ALE, Saint Etienne/FRA, Grêmio, Figueirense, Santos, Olimpia/PAR, entre outros.

“Está show de bola. Tudo bem colocado. Gostei bastante das camisas, das fotos, é coisa de primeiro mundo”, analisou o torcedor Everson Hancke, que levou o filho Vitor para conferir também.

Parte da história, o coordenador médico Lúcio Ernlund também aproveitou a tarde de folga para leva o filho, Felipe, e ver como ficou. “Achei tudo maravilhoso. Tenho as últimas quatro faixas e estou numa das fotos”, disse Ernlund, que também é torcedor.

De acordo com ele, que viaja o mundo em congressos médicos, o memorial não deve nada a outros grandes clubes. “Conheço o do Real Madrid/ESP e está do mesmo nível”, elogiou.

Mas não tem só coisas para ver no Espaço 100 anos. Tem também para sentir. Isso mesmo. Numa experiência que também acontece em outros locais, o clube criou a “Sala das Sensações” onde o torcedor assistirá um vídeo do Couto Pereira em dia de jogo como se estivesse no meio da bateria da Império Alviverde.

A galera fez fila para conhecer a novidade dentro e fora também. Na Mauá, a fila também envolveu a quadra inteira. Ontem, como era aniversário, a entrada foi franca, mas a partir de hoje o ingresso custa R$ 5 para sócios do clube e R$ 10 para não sócios.