Mais uma vez um clube de Curitiba tenta acender a chama da paixão dos paranaenses de todos os cantos do Estado pelo futebol local. Há sete anos, o rival rubro-negro lançou o apelo “Clube Atlético dos Paranaenses” com o mesmo objetivo, mas sem obter resultado consistente. Agora, é a vez do Coritiba tentar levar ao interior a mesma paixão que sua torcida, hoje concentrada basicamente na Capital e na região metropolitana, manifesta. O mote da campanha é “Amo minha terra, torço pelo meu estado”.

Segundo o presidente do clube, Vilson Ribeiro de Andrade, o objetivo é despertar o sentimento de “paranismo”. Nós buscamos mostrar à população paranaense, em sua grandeza, que o futebol também tem que ser grande. E ele só será grande quando tivermos o apoio incondicional de todo o povo paranaense”, justifica. Na visão dele, o futebol local estava muito humilde em relação ao que representa no contexto nacional. “Nós temos aqui campeões nacionais, dois títulos nacionais, temos títulos da Série B, temos grandes jogadores que tiveram prestígio no futebol brasileiro e hoje no futebol mundial”, destaca.

Por tudo isso, o Coritiba aposta no marketing para que torcedores de times do Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul, principalmente, revejam seus conceitos e olhem para mais perto de si. “É uma campanha que visa trazer o sentimento. principalmente na criança, no jovem, que ainda está numa formação dentro do seu sentimento clubístico”, explica o dirigente. O clube pretende espalhar as mensagens em diversas mídias do interior do Estado, onde o time estiver atuando.

O Coxa também aposta no projeto Coritiba Retribui, que leva para entidades carentes doações, visitas de jogadores e solidariedade. Assim, nos próximos jogos, os atletas entrarão em campo vestindo a camisa da campanha. O Alviverde já soma algumas experiências embrionárias que culminaram na criação do novo projeto, que foram as passagens por Joinville (fica em Santa Catarina, mas tem uma ligação histórica maior com Curitiba do que com Florianópolis) na Série B de 2010 e também as pré-temporadas em Foz do Iguaçu. “É um trabalho intenso e que muitos anos se levarão para a gente consolidar. Mas é o primeiro passo”, admite Vilson Ribeiro.