Mais uma vez o Coritiba mostrava que teria algum poder de reação, mas não demorou muito para voltar tudo ao normal. Foi a quarta derrota seguida e o oitavo jogo sem vencer e ficou comprovado que o problema não era só René Simões.

Se serve de consolo, Edison Borges segurou o rojão contra os baianos e agora passa o bastão a Ney Franco, que dá um novo ânimo aos jogadores e aos torcedores.

Mesmo assim, a diretoria tem que agir. Se pagou os atrasados, como diz que pagou, algo mais está errado e precisa ser corrigido. A bola está com João Carlos Vialle, que terá que identificar os problemas e saná-los porque a Sul-Americana, desse jeito, é mais uma competição que acaba para o clube em pleno centenário. Sem contar o perigo de rebaixamento no Brasileirão.