Com a paralisação do Paranaense por tempo indeterminado, o Coritiba se prepara internamente para tentar manter intacta uma importante fonte de receitas do clube: o sócio-torcedor.

Como não há previsão para o retorno do futebol à normalidade, o clube, já sem a receita de bilheteria avulsa, estuda maneiras para compensar seus associados no período sem jogos. Atualmente, o Coxa conta com cerca de 25 mil sócios — dado que representa 20% das receitas.

No início da última Série B, eram apenas dez mil. “Pode ser que aconteça (uma fuga de sócios), não só no Coritiba, mas no segmento futebol como um todo e em outros, como na alimentação, por exemplo”, explicou o diretor de marketing coxa-branca, Rafael Saling.

“Temos que entender o momento e estamos analisando alternativas para compensar (os sócios), mas não é o momento de divulgar ainda porque o cenário ainda não é firme, palpável “, completou.

TABELA: Veja os confrontos do mata-mata do Estadual

De acordo com Saling, a central de atendimento ao sócio continua funcionando de maneira virtual, por chat no site, e atendimento humano por telefone ou e-mail.

E para quem comprou ingressos do Atletiba antes da ordem do fechamento dos portões, o reembolso será feito entre quarta-feira (18) e sábado (21), nas bilheterias do Couto Pereira.

Prevenção

Em um momento “sem precedentes” como o provocado pela pandemia, o Coxa também vai utilizar suas redes sociais e canais de comunicação para ajudar a divulgar a cartilha de prevenção.

“Estamos preparando materiais, que em breve serão lançados. É importante estarmos engajados na conscientização das pessoas. A maior ajuda que podemos dar, no momento, é essa. Quanto antes interrompermos o ciclo do vírus, mais rápido será o retorno”, afirmou Saling.

+ Mais do Coxa:

+ Coritiba investe no futebol feminino
+ Veja o que diz o regulamento do Paranaense sobre a paralisação