Considerado uma das grandes revelações dos últimos anos do Coritiba, o atacante Mosquito, de 20 anos, pode deixar o clube de graça. Com contrato apenas até setembro de 2018, a reportagem apurou que o jogador se sente desvalorizado no Alto da Glória após as dificuldades em receber uma oportunidade na equipe principal, mesmo com o destaque obtido na base. A situação é de impasse entre atleta e clube.

Em março do ano que vem, por um prazo estipulado na Lei Pelé, o atleta pode assinar um pré-contrato com qualquer outro clube. Além disso, como o contrato está próximo do fim, dificilmente algum interessado aceitaria pagar o valor da multa rescisória para ter Mosquito antes do fim de seu vínculo com o Coxa.

O jogador está no Alviverde desde os nove anos de idade. Em maio de 2016, a diretoria comandada pelo presidente Rogério Bacellar renovou o contrato do jovem, mas apenas até setembro de 2018.

Além da falta de chances, a ascensão de outros colegas da base ao time de cima, enquanto ele permaneceu no sub-20, reforçou a sensação de desvalorização. Este ano, o atacante foi o artilheiro do Campeonato Brasileiro sub-20, com nove gols. As atuações chamaram a atenção, mas o então técnico do time principal, Marcelo Oliveira, optou por não aproveitar a piazada antes da última rodada.

Pessoas próximas ao atleta reclamam da falta de diálogo do clube com o jovem, que não teria sequer recebido um plano de carreira até o momento. A renovação do vínculo do prata da casa é uma das prioridades da nova diretoria comandada pelo presidente Samir Namur. As negociações, entretanto, só serão retomadas dia 3 de janeiro, data de reapresentação do elenco.

“Desde o primeiro dia era uma das minhas prioridades, tem que se estabelecer negociações. Ele casou, está viajando, de férias. Já foi feito contato com representante dele, que também está viajando, e sinalizou que só poderia conversar depois do Natal. Vamos fazer proposta, mas ninguém vai quebrar o clube por causa do jogador”, disse o dirigente, em entrevista recente à Rádio Coritiba.

Procurado, o empresário de Mosquito, Guilherme Miranda, preferiu não comentar a situação.

Investidas

Ao mesmo tempo em que teve dificuldades em ganhar uma chance no Alto da Glória, as atuações de Mosquito no sub-20 do Coritiba chamaram a atenção do mercado da bola. O atleta tem sondagens para deixar o clube.

As investidas não são de hoje. Ainda em 2013, o Coxa teve de suportar o assédio do São Paulo pelo atacante que, entretanto, preferiu permanecer no Coritiba na ocasião. No mesmo ano, Mosquito assinou contrato pessoal de patrocínio com a Nike pelo período de cinco anos.