A diretoria do Coritiba vai aproveitar a ida ao Rio de Janeiro (para defender o técnico Dorival Júnior) para “chegar junto” em Sérgio Corrêa, presidente da comissão de arbitragem da CBF.

Os dirigentes continuam indignados com a não marcação de um pênalti contra o São Paulo e querem que o comandante do apito nacional peça mais atenção aos apitadores daqui pra frente.

Por isso, será encaminhado um relatório com os erros de domingo. É a mesma estratégia do primeiro turno, quando esse mesmo procedimento amenizou um pouco os problemas, após o prejuízo sofrido diante do mesmo Tricolor paulista.

“No início do campeonato já estivemos lá. No jogo contra o São Paulo não nos deram dois pênaltis escandalosos e contra o Cruzeiro dois pênaltis e um gol mal anulado. Agora, nos pareceu escandaloso o pênalti não marcado”, justifica Jair Cirino dos Santos, presidente do Coxa. E esse procedimento foi pedido pelo próprio presidente da comissão de arbitragem.

“Fui o único presidente de clube que levou a comissão técnica e a coordenação de futebol para o simpósio da competição e nós ouvimos lá ‘por favor, prestem um grande serviço para a arbitragem apontando os erros’ e tem surtido efeito”, avalia o presidente do Coritiba.

Assim, na bagagem de Cirino vai um relatório e também um DVD com as imagens do zagueiro André Dias, do São Paulo, colocando a mão na bola. “Temos um farto material”, revela o dirigente. Ele disse que, se fosse possível, pediria os três pontos de volta, mas como não dá quer que os árbitros ganhem uma geladeira e reflitam sobre os erros.

“Depois que fomos lá começaram a marcar pênaltis para a gente”, destaca o dirigente. E ele tem razão nas reclamações porque os pontos “tirados” poderiam colocar a equipe entre os quatro primeiros colocados da competição.