O velho sonho do Coritiba em ter um novo estádio ganha mais um capítulo. Desta vez, a diretoria trabalha com três possibilidades de localização. A primeira é no próprio Alto da Glória, onde poderia reformar ou até mesmo demolir o Couto Pereira, para erguer um estádio completamente novo. Nas outras duas, seria uma arena no Pinheirão, o que implicaria na venda do Couto, ou um inédito campo no bairro Cidade Industrial de Curitiba (CIC), na Avenida Juscelino Kubitscheck, com sede social para os sócios.

No total, o clube tem seis projetos, que foram apresentados ao Conselho Deliberativo na noite de segunda-feira (25), em um hotel. Cerca de 120 conselheiros foram informados sobre as soluções imaginadas para a construção de uma nova casa. Sobre a viabilidade financeira, o estádio seria bancado por um fundo de investimento imobiliário. Os investidores ficariam com 49% do imóvel e o Coritiba com 51%.

Os conselheiros terão o prazo de 60 dias para votarem sobre as propostas. o vice-presidente Alceni Guerra já havia declarado que a ideia da direção do clube é dar um presente de aniversário à torcida e anunciar a novidade na comemoração dos 107 anos no clube, em 12 de outubro.

O mandatário também falou que se conseguirem aprovação querem iniciar as obras em outubro de 2017. “Não é um projeto de conclusão rápida. Mas eu estimo a construção para o ano que vem. Temos que ver toda a parte jurídica, estrutural e ambiental”, declarou Guerra, na semana passada.

O presidente Rogério Bacellar e o próprio Guerra dariam uma entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (26) para explicar mais detalhes do plano, mas abortaram a ideia nesta manhã.

Não é a primeira vez que o assunto novo estádio vem à tona em um momento que o time não vai bem dentro de campo. A aposta é mudar o foco e evitar polemizar em cima da crise alviverde, que mais uma vez está próximo da zona do rebaixamento e na semana passada precisou ajustar problemas extra-campos, com a briga de Juan com Pachequinho. Inclusive, na reunião do conselho, a diretoria só queria falar do estádio novo e fugia do assunto ‘bola’.

Histórico

Esta não é a primeira vez que o Coxa apresenta propostas para um novo estádio. Em 2007, o então presidente Giovani Gionédis tentou construir uma arena no Pinheirão. Assim como Vilson Ribeiro de Andrade, em 2011. Já em dezembro de 2008, na gestão de Jair Cirino, o projeto era para inaugurar o Couto W Torre, em parceria com a construtora W Torre, mas que também não acabou vingando.