A falta de resultados e de boas atuações fez a diretoria do Coritiba demitir o técnico Paulo César Carpegiani. Mas sob o comando de Pachequinho, o time apresentou os mesmos problemas e perdeu para o Atlético, anteontem, na Arena da Baixada. O clube jogou dois meses de trabalho no lixo e terá que juntar os cacos e reestruturar a equipe, agora com um novo comandante.

O treinador ainda não foi definido pela diretoria, mas os cartolas estão cientes de que os primeiros 60 dias do ano pouco serviram para uma sequência positiva na temporada. Vários reforços foram contratados, mas poucos deram o resultado esperado. Carpegiani deixou o clube na bronca. Disparou contra os dirigentes e a falta de convicção do comando do futebol.

As declarações não pegaram bem. O diretor de futebol, Alex Brasil, não quis entrar em polêmica e admitiu que o Coxa terá que correr para recuperar o tempo perdido.

“Não adianta agora chegar e falar. A pessoa (Carpegiani) não está nem aqui, não posso nem falar dela. As coisas têm que ser tratadas internamente e não serem expostas publicamente. Se tiver que fazer isso, a gente não vai ter trabalho. Foi uma coisa que aconteceu, foi passado e hoje é uma nova era. Corremos atrás do tempo, estamos atrasados e vamos achar esse norte”, apontou o dirigente.
“Não está a deriva (o departamento de futebol). Existe o sentimento de tristeza. Quem mais sofre é o torcedor e a gente sabe disso. Existe cobrança, existe trabalho. Os caras querem trabalhar, vamos fazer eles trabalharem domingo, segunda, porque perdemos muito tempo, 60 dias. Não houve resultado, o comando técnico mudou e agora vamos atrás de outro comando para que os resultados venham com muito trabalho”, prosseguiu ele.

Ainda sobre as declarações de Carpegiani, Alex Brasil garantiu que todas as decisões dentro do Coritiba são tomadas em colegiado e que nada é feito pelas costas. “Tudo é feito no Coritiba em colegiado. Ninguém faz nada sem o outro saber. Todos estão aqui hoje e sabem o que realmente foi pedido e o que pudemos trazer. Ninguém fez nada pelas costas e todo mundo sabia o que estava acontecendo. Todos têm responsabilidade”, enfatizou o cartola.