O Coritiba vai usar do mistério para tentar surpreender o Atlético no primeiro clássico da final do Campeonato Paranaense, neste domingo (30), às 16h, na Arena da Baixada. Sabendo que não pode passar pela mesma situação do ano passado – quando, no jogo de ida, também no Joaquim Américo, perdeu por 3×0 e foi para a decisão no Couto Pereira já precisando de um milagre -, o técnico interino Pachequinho vai manter a cautela e trabalha com uma formação equilibrada, pensando em levar a decisão para casa no outro final de semana.

A intenção do Coritiba não é sair para o jogo, mas também não é ficar na retranca. É ter uma postura de acordo com o adversário, que vai tentar impor seu ritmo – assim como foi no início da partida do Atlético com o Flamengo, quarta-feira (26), pela Copa Libertadores. “Eu vejo uma dificuldade em jogar contra o Atlético na Arena, sempre foi difícil, temos que ter uma atenção”, explicou Pachequinho, que conversou com os jornalistas antes do treino desta sexta-feira (28), no CT da Graciosa.

A luta do treinador é justamente evitar que o Coxa seja desequilibrado jogando na Baixada. Ano passado, o Cori não se acertou e o resultado foi uma derrota que praticamente encaminhou o título para o rival. “Se você for só se defendendo corre um risco muito grande de não conseguir sair de trás e isso dificulta as ações ofensivas. Ao mesmo tempo, não pode se expor e abrir demais porque é um adversário qualificado, com transição rápida”, comentou Pachequinho.

Daí a dúvida do técnico alviverde. Se preferir manter a base que atuou na maior parte do Campeonato Paranaense, vai o Coritiba com três atacantes, e aí Tiago Real perde a posição de titular para Matheus Galdezani, que agradou na volta à equipe e estará em campo. Caso prefira dar mais consistência ao meio-campo, os dois jogam e aí sobraria para Neto Berola, que ficaria no banco de reservas.

Essa questão – se o Coxa vai jogar com dois ou três atacantes – vai ser levada até o domingo, inclusive porque Pachequinho vai também esperar até quando for preciso pela recuperação de Alan Santos. O volante, que admitiu durante a semana ter jogado no sacrifício diante do Cianorte, domingo passado (23), está sendo preservado para estar inteiro no Atletiba. Assim, uma provável formação alviverde conta com Wilson; Rodrigo Ramos, Walisson Maia, Werley e William Matheus; Alan Santos (Edinho), Anderson e Matheus Galdezani; Neto Berola (Tiago Real), Henrique Almeida e Kléber.

Saiba como vai ser a transmissão via internet da final do Paranaense!