O Coritiba emplacou, pela primeira vez em 2017, três vitórias consecutivas. Sob o comando de Pachequinho, o time coxa-branca ganhou uma nova cara e, com uma atuação segura, não teve dificuldades para vencer o Rio Branco por 2×1, na noite de domingo (26), no Couto Pereira e assumiu a vice-liderança do Campeonato Paranaense. O Verdão, na última rodada do Estadual, vai tentar a manutenção da segunda colocação diante do Londrina, quarta-feira, fora de casa.

A situação ruim que vive na competição fez o Rio Branco não se limitar apenas em marcar, como os outros adversários do Verdão fizeram. Por isso, o duelo foi bastante equilibrado. O time alviverde, que precisava dos três pontos para assumir a vice-liderança, começou melhor. Neto Berola começou a se destacar e criou as duas primeiras chances do Coxa.

Se Neto Berola usava da velocidade para levar o Coritiba ao ataque, o Rio Branco respondeu na mesma moeda. Pelo lado esquerdo, o atacante Minho era o homem mais perigoso do Leão da Estradinha e criava boas alternativas para a equipe do Litoral.

O duelo foi ficando aberto. O Rio Branco acertou a marcação e ganhou o meio de campo por causa da ineficiente marcação do Coxa. O Coritiba, porém, criou sua melhor chance aos 28 minutos. William Matheus fez a jogada pela esquerda e cruzou na medida para Kléber. O Gladiador cabeceou no canto, mas Dalton fez grande defesa. Com um toque de bola mais refinado no setor de criação, o Leão da Estradinha rondou a meta do goleiro Wilson na reta final da etapa inicial.

A bronca no vestiário fez bem ao Coritiba. Com as entradas de Tiago Real e Léo Santos, o Verdão melhorou em campo. Além de ajustar a sua marcação, o Alviverde não deu espaços para o Rio Branco e criou, nos primeiros três minutos, três boas chances de abrir o placar. Insistente, o Coxa abriu o caminho da vitória aos 10 minutos com Alan Santos, que aproveitou a cobrança de falta de Tiago Real e cabeceou no ângulo de Dalton.

O primeiro gol deu a tranquilidade necessária para o Coritiba seguir controlando o jogo. Só que agora com mais espaços, já que o Rio Branco precisou sair mais para o jogo. O segundo gol, então, não demorou a sair. Aos 18, Kléber fez a jogada, Rodrigo Ramos cruzou e Léo Santos marcou.

O Rio Branco acusou o golpe e não tinha forças para reagir. Já o Coxa, com a criatividade e marcação no meio de campo na dosagem certa, passou a criar seguidas chances de marcar. Kléber, em noite pouco inspirada, perdeu duas grandes oportunidades de transformar a vitória em goleada. Ainda no final, deu tempo para Juninho, aos 46, descontar para o Leão da Estradinha.