O Coritiba irá guardar para o último momento seu plano mais ambicioso para o ano do centenário. O clube confirmou ontem que planeja dar início às obras de seu novo estádio em dezembro de 2009. Mas o projeto ainda precisa passar por dois obstáculos para sair do papel.

O primeiro pode começar a ser superado na semana que vem, quando o clube irá apresentar à prefeitura de Curitiba o projeto detalhado do empreendimento. O Coxa não confirma oficialmente, mas a idéia é demolir o Couto Pereira e erguer uma moderna arena no local. Tudo em parceria com a WTorre Empreendimentos, empresa com qual o Cori já assinou um protocolo de intenções.

Convencer o poder público municipal não será fácil. O Coritiba já apresentou ao prefeito Beto Richa um estudo preliminar, elaborado pelo arquiteto português Tomas Taveira. Publicamente, foi recebido com sorrisos e elogios. Mas, segundo apurou ao Paraná-Online, o clube enfrenta resistências ao projeto dentro do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc).

A localização extremamente central do estádio, numa área residencial e com vias estreitas ao redor, é um ponto que pode vir a prejudicar os planos alviverdes. O Ippuc ainda avalia o impacto sobre a região de uma obra dessa magnitude. Além do novo estádio, com capacidade para 40 mil pessoas, estaria prevista no projeto a construção de um centro de convenções.

Os valores de quanto custariam a obra também estão guardados a “sete chaves”, mas estima-se que inicialmente girariam em torno dos R$ 200 milhões. Nenhuma das partes envolvidas no projeto do novo Couto fala em cifras.

Sem crise

Se conseguir convencer a prefeitura da viabilidade da empreitada, o Coxa parte para o segundo desafio: encontrar um investidor para a obra. O clube nega que venha encontrando dificuldades nesse ponto, apesar da crise financeira internacional.

Segundo o conselheiro Flávio Kitzig, o projeto do novo estádio e a parceria com a WTorre avançam de vento em popa. “É uma empresa sólida, com articulações no mercado nacional e internacional. Ela vem conversando com vários possíveis parceiros e muitos interessados têm nos procurado. Tudo segue dentro da ordem”, diz Kitzig, um dos responsáveis pelo planejamento estratégico alviverde.

Só depois de superado esses dois estágios, o clube assinaroia o contrato definitivo com a WTorre e acertar os detalhes da parceria. A empresa administraria todos os espaços em parceria com a Traffic, por um período que pode variar entre 20 e 30 anos.

Independente do desenrolar dos planos alviverdes, uma coisa é certa: o “velho” Couto Pereira será a casa do Coxa durante toda a temporada do centenário, em 2009. “Não há nenhuma dúvida sobre isso”, garante o presidente Jair Cirino.