João Paulo Medina, CEO do futebol do Coritiba, pouco tem aparecido aos torcedores nesses quase quatro meses no clube. Assim, o Coxa decidiu fazer uma ação com os torcedores nas redes sociais, que puderam questioná-lo sobre vários assuntos.

Claro que um assunto da conversa seria a necessidade de reforçar o elenco alviverde. Em falta dentro do elenco, o meio-campista ou o famoso “10” (hoje sem um dono) é um pedido da torcida. Após a aposentadoria do ídolo Alex, a diretoria espera trazer um reforço para a posição através da associação, com um desafio que será imposto nas próximas semanas através de uma longa campanha.

“Todo clube procura meias criativos. Não temos grande quantidade desses talentos no mercado. A dinâmica é outra e os times não dependem mais tanto deste tipo de atleta. O futebol é mais veloz e a dificuldade de achar alguém que encaixa é grande”, afirma o dirigente.

Sabendo da necessidade de trazer novas peças para a disputa do Campeonato Brasileiro, o Verdão vai precisar diminuir seu grupo. Atualmente, 30 atletas treinam no CT do Atuba e o ideal para a direção é de 28 jogadores. “Subiu um pouco. Se tiver mais que isso, como que o jogador vai ter motivação? Tentamos minimizar isso, até pela parte financeira.

Precisamos conseguir mais com menos!”, acredita, reforçando o discurso do presidente Rogério Bacellar.

Medina reforça que 50% do atual elenco é do trabalho feito nas categorias de baixo e quer que essa seja a tendência do Coxa daqui para frente. “Metade é formada na base. É bastante expressivo e alinha com a ideia que temos para o futebol do Coritiba. Isso tem que acontecer com cada vez mais intensidade”, completa.

Algumas características, de acordo com o CEO do Coxa, são fundamentais: velocidade, ter técnica dentro da dinâmica de jogo, inteligência tática ao fazer a leitura do que acontece em campo e, sobretudo, ter profissionalismo. “Tem que sempre querer mais e não ficar conformado com o que faz. Não basta ter só talento para vencer no futebol”, resume.