A diretoria do Coritiba recebeu em tom de ironia as declarações do presidente do Atlético, Mário Celso Petraglia, que ameaçou não levar seu time a campo no domingo, caso a arbitragem seja do quadro da FPF. Vilson Ribeiro de Andrade, presidente do Coxa, não deixou por menos. Ele classificou o discurso do dirigente atleticano como “uma piada” e uma tentativa de minimizar o risco de o Atletico ser tetra vice-campeão. “Não vai entrar em campo, de novo? Faz tempo que o Atlético não entra em campo contra o Coritiba. No ano passado, eles fizeram a mesma ameaça. Está ficando chato. Ele tem que ter mais responsabilidade no que fala. Acho que o presidente é uma pessoa extremamente inteligente, e uma declaração dessa não condiz com a sua inteligência. Isso é uma brincadeira. Estou levando na gozação. É brincadeira de uma pessoa que deve estar em um momento de alegria ou muita euforia. Mas é uma piada. Aliás, mais uma dele”, cutucou.

No entanto, o dirigente mudou o tom ao comentar as declarações de Mário Celso Petraglia sobre o zagueiro Escudero. Na noite de terça-feira, o homem forte atleticano foi às redes sociais e se referiu ao jogador como “covarde agressor”. O motivo foi uma postagem no perfil do jogador, que surgiu logo após o empate por 2 x 2, domingo passado, incitando a violência. De acordo com Vilson Ribeiro de Andrade, o autor da mensagem com os dizeres “Vamos Coxa, domingo seremos campeões e mataremos os porcos” não foi Escudero, e sim o irmão dele. “Vamos esclarecer os fatos: quem escreveu não foi ele (Escudero) e sim o irmão dele. Foi uma irresponsabilidade cometida pelo irmão do jogador, mas o Coritiba dá o caso como encerrado”, diz o presidente alviverde, avaliando que Escudero só exagerou no tranco sobre o lateral Léo. “O cartão amarelo foi bem aplicado. Agora, o presidente falar em covardia? Ele atingiu a pessoa física, ofendeu o ser humano, aí não pode. Não é a intenção do jogador, mas o Escudero pode tomar as providências que achar necessárias, por que foi ofendido”, alertou.