O empate estava quase garantido, o Coritiba conquistava um pontinho precioso, mas a defesa voltou a falhar no final e entregou o jogo para o Atlético/MG. No primeiro tempo, a turma da cozinha ficou olhando duas vezes e deixou o Galo abrir 2 a 0 logo nos primeiros minutos. O time se recuperou e conseguiu o empate e só precisava administrar a partida em pouco mais de dez minutos. Mas o pessoal da defesa pôs tudo a perder. E olha que Edson Bastos ainda fez grandes defesas. Com o resultado, o time estacionou na tabela e agora está na porta da zona do rebaixamento.

Dos últimos 15 pontos disputados, o Coxa só somou três.  Foram derrotas para o Vitória e Atlético/MG e três empates diante de Atlético, Sport e Botafogo. E o time, que já tinha beliscado um 11.º lugar e ameaçava entrar na briga pelo lado de cima da tábua de classificação, começou a descer a cada rodada. Dessa vez, com apenas 16 pontos, ficou na 16.ª colocação e está a um ponto da ZR, que tem o próprio Rubro-Negro abrindo a turma que pode ser rebaixada. Se empatasse, subiria um lugar, mas o bom mesmo era ter vencido para dar um novo salto.

A vitória até era possível porque o adversário estava em casa, tinha o apoio de mais de 26 mil torcedores, mas só conseguiu fazer os três gols explorando falhas gritantes da zaga alviverde. Os dois primeiros, por exemplo, mostram claramente o que zagueiros não devem fazer. Em bola cruzada na área se gruda no atacante. A zaga ficou olhando e Jonilson e Diego Tardelli ficaram livres e cabecearam como quiseram. Parecia que nada daria certo, mas a reação não demorou. Marcelinho Paraíba cobrou escanteio da direita e Demerson subiu com convicção e mandou a bola na rede.

Os mineiros voltaram à carga e obrigaram Edson Bastos a fazer várias defesas. Reflexo de posicionamento equivocado da cozinha, mas René aproveitou para dar mais gás ao time com Pedro Ken, Guaru e Leozinho, que reagiu. A equipe equilibrou as jogadas e chegou ao empate em boa enfiada de Marcos Aurélio para Leozinho, que tocou na saída de Aranha. Mas, uma sucessão de erros custou a derrota. A marcação permitiu o cruzamento, quem poderia cortar não cortou e quem deveria marcar Renan Oliveira não marcou. Resultado: o meia teve espaço para girar e mandar no ângulo.