Está definido o panorama das eleições do Coritiba. Com a inscrição de duas chapas nesta quarta-feira (8), a “Sangue Verde” e a “Novo Coritiba”, serão três os candidatos à sucessão de Rogério Portugal Bacellar. Como um símbolo da atual gestão atribulada, nenhum dos grupos diz ter ligação com o atual presidente. Portanto, são três chapas de oposição, três perfis de coxas-brancas que vão discutir o presente e o futuro do clube a partir de agora, e disputar no voto no dia 9 de dezembro.

É raro o fenômeno deste pleito do Coxa. Por mais que um presidente tenha rejeição da maioria, ele tem um candidato. Desta vez, Rogério Bacellar avisou com antecedência que não seria candidato, notícia divulgada em primeira mão pela Tribuna em março. Naquele momento, a tendência era que um dos vice-presidentes entrasse na disputa. Mas José Fernando Macedo sofreu com o desgaste da má campanha no Campeonato Brasileiro, e Alceni Guerra perdeu espaço por causa da insistência com o “novo” Couto Pereira. Assim, salvo uma grande surpresa nesta quinta (9), último dia para a inscrição das chapas, a situação não terá candidato. Ficam os três grupos que já vinham se articulando há algum tempo.

Velha guarda

chapa1

Há mais tempo no Coxa (vive o cotidiano alviverde desde a década de 1960) e candidato lançado mais cedo, o médico João Carlos Vialle lançou nesta quarta a chapa “Sangue Verde”, que tem o apoio de diversos ex-dirigentes da ala “veterana” do clube. Conhecido pelos mais jovens como diretor de futebol em 2006 e 2009, Vialle tem 73 anos, e ocupa cargos no Coritiba desde 1966.

Na página oficial da chapa no Facebook, o apelo do grupo é evidente: retomar o foco exclusivo no futebol. “Chega de tristeza e decepção. Ir ao Couto deve ser sinônimo de alegria, de celebração. E isso só vai acontecer quando tivermos um investimento sério no futebol do clube. Só assim o Coxa voltará aos seus tempos gloriosos, quando era respeitado pela mídia e temido pelos adversários”, diz o texto.

Ao lado de Vialle, a “Sangue Verde” terá no seu G5 Guido José Dobeli, Luciano Plugge Freitas, Ubirajara Bley e Walter Alberto Mitt Shause.

Aliados de Vilson

chapa2

Outra chapa apresentada nesta quarta foi a “Novo Coritiba”, liderada pelo engenheiro Pedro Guilherme de Castro, de 40 anos. Com o suporte do ex-presidente Vilson Ribeiro de Andrade (hoje presidente da Fomento Paraná) e o apoio do empresário e ex-deputado Marcelo Almeida, o grupo se coloca como a real oposição no pleito. Castro é dono de uma empresa de construção civil que trabalha com os setores público e privado, e é também apoiado por Paulo Thomaz de Aquino e Giovani Kassin, dois conselheiros que chegaram a se lançar candidatos, mas acabaram fechando questão pela “Novo Coritiba”.

Em um manifesto, a chapa também afirma que o futebol será prioridade absoluta. O texto faz duras críticas a atuais e ex-dirigentes, e não poupa sequer o ex-jogador Alex, que foi o principal cabo eleitoral de Rogério Bacellar, e rompeu com o presidente depois da demissão de João Paulo Medina, ainda em 2015. “Uma boa parte de nossos integrantes é de Conselheiros que, nesses últimos três anos, têm feito efetiva e firme oposição à (falta de) gestão da ‘Coxa Maior’ – seguramente a pior que já passou pelo nosso amado clube nos últimos 20 anos”.

Com Pedro Guilherme de Castro como candidato à presidente, a “Novo Coritiba” terá como integrantes do G5 André Cansian, Rodrigo Florenzano, Glenn Stenger e João Luiz Buffara Lopes.

Confira a classificação do Campeonato Brasileiro!

Os jovens

chapa3

O terceiro grupo na eleição é o da autodenominada “Ala Jovem”, que lançou na semana passada a chapa “Coritiba do Futuro”. O candidato é Samir Namur, 35 anos, advogado e professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Mestre e doutor em Direito Civil, Namur foi presidente do Conselho Deliberativo de 2016 até o último mês de setembro, quando se desincompatibilizou do cargo para disputar a presidência do Coxa. A “Ala Jovem” se formou dentro do conselho nos últimos anos, apoiou Rogério Bacellar na eleição passada mas se afastaram do presidente por não concordarem com a condução do departamento de futebol.

Estes conselheiros decidiram entrar no processo eleitoral depois da desistência do atual mandatário, trazendo um discurso de equilíbrio financeiro, profissionalização do departamento de futebol e priorização das categorias de base no elenco profissional. Acusados de serem “chapa-branca”, os integrantes garantem que são independentes. “A Chapa Coritiba do Futuro refuta qualquer rótulo de situação ou oposição dentro da política do Clube. (…) Foi justamente por discordar de vários aspectos da atual administração que a Chapa Coritiba do Futuro lançou candidatura totalmente independente e sem qualquer apoio dos atuais gestores”.

Ao lado de Samir Namur na “Coritiba do Futuro”, estarão Paulo Roberto Baggio Pereira (1º vice-presidente), Jorge Durao (2º vice), Eduardo Bastos de Barros (3º vice) e Anibal de Paulo Mesquita Junior (4º vice).

Fechou

Como previsto no estatuto do clube, a diretoria do Coritiba anunciou que a partir de sexta-feira (10) está proibida a admissão de novos sócios. As novas associações só serão aceitas a partir de 10 de dezembro, o dia seguinte à eleição para presidente. Neste período, a Central de Relacionamento com os Sócios atenderá os associados que têm débitos de até seis meses. Para votar, é preciso estar em dia com as mensalidades. Com isso, o colégio eleitoral do Coxa fica fechado, com cerca de 6.700 sócios aptos a participar do pleito.