Os números nada animadores do Coritiba neste início de Série B não abalam o goleiro Edson Bastos e o zagueiro Jeci. Eles estavam na campanha vitoriosa de 2007, quando o Coxa foi campeão da Segundona, e avaliam que a equipe atual é melhor do que há de três anos e só precisa “entrar” no estilo de jogo da competição para engrenar.

“Em 2007, tivemos um início parecido. Ganhamos a primeira, e depois veio uma sequência que não nos favoreceu”, relembra o zagueiro Jeci. Naquele ano, o time ganhou do Paulista (3 x 1), perdeu do Gama (1 x 0), ganhou do Ituano (1 x 0) e voltou a perder do São Caetano (1 x 0).

Por isso, Jeci pede um pouco mais de tempo para o Coxa engrenar. “A equipe está se adaptando agora à Série B, mas pela qualidade do grupo, e isso a gente vê pelos elogios de quem nos enfrenta, sabemos que o Coritiba tem condição de lutar pelo acesso e pelo título”, aponta Jeci.

No entanto, o zagueiro diz que é preciso transformar essa qualidade em pontos. “Temos que fazer por merecer dentro de campo. Em termos de qualidade de equipe, em comparação com o que tínhamos em 2007, essa de hoje é bem melhor”, destaca o capitão alviverde.

Allan Costa Pinto
Jeci: time atual é melhor.

Já Edson Bastos prefere não fazer comparações entre os times de 2007 e 2010, mas acha que há lições a serem ensinadas. “Temos que fazer a lição de casa bem feita. Não podemos abrir mão disso. Já, fora de casa, temos que buscar resultados, por que o campeonato é dificílimo. Mas se você quer o acesso tem que fazer a lição de casa bem feita, como fizemos em 2007”, avisa.

Bastos, no entanto, destaca a leveza do time de hoje em comparação com jogadores mais fortes da campanha passada. “Nossa equipe é diferente da que tínhamos em 2007. É mais leve, de menor estatura e tem característica de velocidade, que é a nossa grande virtude”, analisa o camisa 1.

O goleiro também destaca que o atual time ainda precisa do “espírito da Série B”. “A equipe veio de uma competição diferente, que é o estadual, e muitos não tinham atuado na Série B. Tem essa diferença”, compara.