Depois de uma semana de folga, o elenco do Coritiba volta ao trabalho hoje. Na reapresentação, o foco é um só: sustentar a liderança do Campeonato Brasileiro, obtida na fase pré-Copa das Confederações. Para atingir a meta, o clube realizará uma intertemporada em Foz do Iguaçu até o dia 26. Durante a estadia nas três fronteiras, o Coxa tentará dar apoio moral à sua filial. O Foz do Iguaçu Futebol Clube, que tonou-se parceiro do Alviverde, passa por dificuldades na disputa da Divisão de Acesso do Campeonato Paranaense, apesar de contar com uma estrutura de fazer inveja aos demais concorrentes. Foram cedidos 13 jogadores por empréstimo, além da comissão técnica. Mesmo assim, o time amarga a 8.ª colocação, num total de 10 equipes que disputam a competição, e corre risco de rebaixamento.

Com apenas uma vitória em seis jogos, a crise técnica do Foz do Iguaçu atingiu seu ápice no domingo passado. Com um gol sofrido no fim da partida, contra o Colorado, a equipe conheceu sua quarta derrota na competição e o técnico Edison Borges pediu o boné. Somando 4 pontos, o time tem a mesma pontuação do Roma Apucarana, primeiro time na zona de descenso para a Terceira Divisão. Isso levou ao pedido de demissão do técnico Edison Borges, que é funcionário do Coritiba, mas o diretor do Foz, Arif Osman, não aceitou a saída e a comissão técnica continua no clube. O grupo conta ainda com os auxiliares Pachequinho e Márcio Goiano.

Faltam três partidas para o final da 1.ª fase. Arif Osman exalta a parceria com o Coritiba, mas admite que o acesso à Primeira Divisão não deverá vir esse ano. “Todo técnico, quando os resultados não aparecem, coloca o cargo à disposição. Isso aconteceu com o Edison, mas confiamos muito no trabalho dele e da comissão técnica. Conversamos com o Coritiba e o trabalho segue. Respeitamos muito essa parceria com o Coritiba, que é de três anos, renováveis por mais três. Nossa resposta ao torcedor é que sempre buscaremos o acesso, temos que transparecer isso, mas seria muita pretensão almejar essa condição logo no primeiro ano”, reconhece.

Entre os atletas cedidos ao Foz do Iguaçu estão jogadores das categorias de base e ainda nomes que fazem parte do elenco profissional, como o meio-campo Thiago Primão e o atacante Anderson Costa. Para Felipe Ximenes, superintendente de futebol do Alviverde, o saldo da parceria é positivo, apesar da falta de resultados em campo. Ele ressalta a iniciativa de fortalecimento do futebol do interior do Estado. “O objetivo do Coritiba sempre foi revelar novos valores, dar condições de trabalho para nossos atletas e proporcionar essa experiência de futebol profissional, inclusive à comissão técnica. Não estamos nem um pouco preocupados com os resultados, mesmo sendo o primeiro parâmetro que é visto”, analisa.