Uma vitória no duelo contra o Santa Cruz, nesta quarta-feira (16), às 21h, no Couto Pereira, pode fazer o Coritiba ficar muito próximo de, matematicamente, afastar qualquer possibilidade de rebaixamento à Série B. Se isso acontecer, o Verdão poderá começar a planejar a próxima temporada e, segundo os jogadores, quanto antes o trabalho visando o ano que vem começar, melhor será o resultado em 2017.

Apesar de ainda não ter a sua situação definida no Brasileirão e de ainda correr o risco de queda, a diretoria já está pensando em 2017. Na semana passada, o clube anunciou a renovação do atacante Kléber por mais duas temporadas. Outros jogadores que são considerados prioridade para a cúpula alviverde também já iniciaram conversas para terem seus vínculos estendidos.

“É bom ver o clube pensando em 2017. Apesar da situação que vive hoje no Brasileiro, mas é bom. A questão do Carpegiani (Paulo César, técnico) a direção vai ver isso. O Kléber ajudou bastante desde que chegou ao elenco e foi muito feliz. Meu contrato é até 2020 e deixo para a diretoria resolver. Até agora não chegou nada de concreto e no momento minha cabeça está totalmente focada no Coritiba”, apontou o zagueiro Juninho, que vem sendo sondado pelo Palmeiras.

Enquanto o Coxa, ao que parece, terá que buscar outro treinador, já que Carpegiani já confirmou que deve deixar o clube no final desta temporada, jogadores importantes, como o atacante Kazim, têm contrato com o Verdão para a próxima temporada. O centroavante inglês-turco afirmou que o foco está no duelo contra o Santa Cruz, mas que será importante o clube iniciar o planejamento para 2017 tão logo confirme sua permanência na elite.

“Agora é importante o Coritiba ficar na Série A. Depois, é importante eles pensarem mais rápido para 2017. Para o treinador, não sabemos. Eu sou jogador, eu não sei do contrato do Carpegiani, como vai ser, eu só penso no próximo jogo, só penso nisso. Nos três pontos contra o Santa Cruz, depois contra Flamengo, Vitória e Ponte Preta. É melhor deixar isso para os diretores e para o Carpegiani, agora é melhor não ter muita confusão”, concluiu Kazim.