O ex-funcionário do Coritiba, Bruno Kafka, foi condenado pela Justiça do Paraná a pagar R$ 40 mil por ter divulgado conversas de um grupo do clube, em 2015. A decisão foi tomada pelo juiz James Hamilton de Oliveira Macedo, da 4ª Vara Cível de Curitiba.

A indenização por danos morais será paga a oito ex-colegas, com cada um recebendo a quantia de R$ 5 mil. Na época, a confusão do grupo chamado “Indomáááááável F.C.” gerou uma crise institucional e uma reformulação no Coxa, com membros da diretoria, que faziam parte do grupo do Whatsapp, sendo demitidos.

Segundo o material do Conjur (Consultor Jurídico), o grupo fazia piadas, comentava a política interna do Coritiba e falava mal de outros integrantes do clube. Kafka divulgou as conversas após ter deixado o Alviverde e disse que em nenhum momento revelou assuntos pessoais, apenas situações referentes ao Coxa. Por isso, irá recorrer da decisão.

“O conteúdo do grupo não está sendo tratado da forma que deveria. Em nenhum momento foi disponibilizado assuntos de cunho pessoal. Tudo o que acabou sendo divulgado era ligado ao Coritiba e à gestão do clube na época. Isto fica bem claro quando se analisam as mensagens juntadas no processo. Tenho a convicção de que o Tribunal irá avaliar bem a questão e reverter isso”, afirmou ele, em entrevista à Tribuna do Paraná.

Ganharam a ação Carlos Eduardo Vianna, André Macias, Christian Gaziri, Marcelo Molinari, Adriano Rattmann, Arthur Klas e Pierre Boulos e Alexandre Dupas Pereira.

Confira a íntegra da decisão judicial:

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!