Com mais nove rodadas para tentar permanecer na elite do futebol nacional, o Coritiba precisará ainda mais da união entre jogadores, diretoria e torcida para conseguir deixar as últimas colocações da competição nacional. Quem dá a receita são os ex-técnicos do clube, Marcelo Oliveira, atualmente no Cruzeiro, e René Simões, que já viveram, no Couto Pereira, as mais variadas situações à frente do Alviverde, mas acima de tudo tiveram grandes conquistas pelo time coxa-branca nas suas recentes passagens pelo Verdão.

“É difícil falar quem não está vivendo o dia a dia do clube. Só penso que em relação aos outros times que estão brigando contra o rebaixamento, o Coritiba tem um time melhor. Tivemos muitas dificuldades tanto no Mineirão quanto em Curitiba. Acredito que é o momento de unir forças, pois a diferença não é tão grande entre estes clubes que estão lutando na parte de baixo. O Coritiba tem totais condições de sair, principalmente se a torcida ajudar nos jogos no Couto Pereira. Todos juntos, é muito possível o clube sair dessa situação”, frisou Marcelo Oliveira, técnico alviverde nas temporadas de 2011 e 2012, e que está prestes a conquistar mais um título do Brasileirão pelo Cruzeiro.

René Simões, que conduziu o Coritiba de volta à Primeira Divisão em 2007, afirmou que já passou por situação semelhante dentro do Couto Pereira. Na ocasião, o ex-comandante do Coxa recordou que somente com a união entre a equipe, comissão técnica, diretoria e torcida o clube conseguiu conquistar seu retorno para a elite do futebol brasileiro.

“O primeiro ponto é reconhecer que se tem um problema. O segundo é identificar como pode solucionar isso e buscar a experiência de pessoas que já passaram por esses momentos. Quando cheguei ao Coritiba o clube estava vivendo um caos e o que nós fizemos foi juntar forças e, tanto torcida quanto direção e jogadores entenderam que eles faziam parte da solução do problema. É isso que tem que acontecer agora”, explicou.

O ex-comandante do time coxa-branca lembrou também que viveu uma situação semelhante em 2008, quando dirigia o Fluminense e conseguiu evitar o rebaixamento do time carioca para a Série B. “Quando assumi o Fluminense naquele ano faltavam dez rodadas e o clube estava na zona de rebaixamento. Com a união de todos, conseguimos sair do vermelho e ainda classificamos para a Sul-Americana. Foi um momento onde todos esqueceram tudo, se tinha ou não salário atrasado. Tudo ficou para se resolver depois. Nosso foco foi jogo a jogo e conseguimos escapar do rebaixamento”, detalhou Simões.

No mesmo ano em que conduziu o Coxa para a Primeira Divisão, René Simões interferiu nas campanhas da oposição e da situação nas eleições do Coritiba e conseguiu levar o Verdão para a Primeira Divisão. “Assumi o clube no ano eleitoral. Conversei com a oposição, com a situação e não se falou mais em política até que a gente conseguisse voltar para a Série A. Quando conquistamos o acesso, aí sim o processo eleitoral foi deflagrado. Isso foi importante naquele momento”, recordou.

Força caseira

René Simões viveu na pele a importância do torcedor nas partidas no Couto Pereira. O ex-treinador coxa-branca salientou que a disputa contra o rebaixamento está muito apertada e que a torcida alviverde precisa acreditar e jogar junto com o time nesta reta final do Brasileirão. “A torcida tem que fazer a diferença em casa. A torcida tem que entender e ter paciência. O pensamento tem que ser só no Botafogo e pensar jogo a jogo até o final. O Coritiba não pode errar contra o Botafogo e precisa acreditar que tem condi&cc,edil;ões de sair do rebaixamento. A briga está muito apertada e o clube está encostado para sair das últimas posições”, concluiu Simões.